– O Webinar da CBF foi denso, mas muito bom!

Ufa, foram 4 horas de trabalho pesado sobre atualizações das Regras do Futebol. Já havia as estudado, por conta do ofício e da paixão, mas ouvir os membros da Comissão de Arbitragem Nacional falarem sobre elas e conhecer as orientações da CBF sobre o Brasileirão que se aproxima, de fato, foi algo bem importante.

Parabéns aos envolvidos por esse Webinar das Diretrizes da Arbitragem Brasileira (em especial ao Leonardo Gaciba e ao Alício Pena) e em próximas postagens vou atualizando nossos amigos leitores. Como é um material grande, colocar numa linguagem adequada será fundamental.

Cada vez mais, acredito, o futebol se distancia das suas raízes históricas e arbitrar uma partida será uma tarefa bem diferente do que em tempos passados (não sei dizer se “para melhor ou não”). Aguardemos!

Sem Título

– Os 3 times de 11 na final da Taça Rio

11 jogadores do Fluminense

11 jogadores do Flamengo

11 membros da Arbitragem.

Oficialmente, temos 3 times para o Campeonato Carioca.

EcbIkLQWAAMSDcU

– Atletas manhosos ou de uma geração mal preparada? A quem o jogador de futebol teme?

Repost de 17/07/19, e bem atual: a quem o jogador de futebol teme? Ao árbitro, não…

Ouvi uma colocação do jornalista Flávio Prado no Programa Esporte Discussão que foi sensacional. Ele questionou o seguinte: Os jogadores de futebol de hoje têm medo de quem?

Flávio relatou o que pessoas atualizadas no futebol dizem sobre o respeito dos boleiros para seus superiores. A transcrição abaixo:

“Jogador de futebol não respeita mais treinador. Sabe quem o jogador teme de verdade? Em primeiro, o empresário – que é quem guia o jogador, que faz ele jogar onde ele quiser. Se o empresário disser que ele deve jogar pelo meio, ele vai jogar; em segundo lugar o assessor de imprensa, porque eles morrem de medo do que vai sair e os assessores fazem terrorismo com ele; em terceiro, o diretor que tem acesso ao empresário e ao seu assessor de imprensa, e só em quarto lugar o treinador”.

Claro que se ponderou que a relação com treinadores “cascudos”, como Felipão e Cuca, a coisa é diferente. Mas tudo isso não é uma grande realidade? Repararam que o treinador comum, o “professor”, está cada dia mais perdendo a moral?

Jogador de futebol, em muitos casos (claro que não se pode dizer a totalidade, pois existem profissionais diferenciados) se vendem aos seus agentes, passando a ser mercadorias deles, perdendo até mesmo a vontade própria e o direito de decidir.

bomba.jpg

– O Webinar da CBF: Linha de Atuação da Arbitragem Brasileira

Hoje, haverá um Webinar da CBF muito interessante sobre a Arbitragem de Futebol. Pilares técnicos, VAR, Mudanças das Regras do Jogo, Protocolos de Retorno em tempos de Pandemia e outras considerações num evento de 4 horas de duração.

Gostei muito e participarei. Temas propícios num momento adequado (já se falando também numa hipotética volta do Brasileirão, programada para 09 de Agosto). E, claro, por ser à distância e com toda a segurança, dá maior tranquilidade.

Webinar CBF Social: Linha de Atuação da Arbitragem Brasileira

Confira a programação completa do evento:

– Árbitros Robôs serão realidade? Mas… e a interpretação?

A inteligência artificial é um fato, e ela estará em todos (ou quase todos) os setores da sociedade em um breve tempo.

No futebol, por exemplo, a FIFA estuda um moderno sistema que dispensaria o AVAR e automaticamente avisaria o árbitro de que um atleta esteja em condição de impedimento, diminuindo tempo de análise de AVAR, VAR e decisão ao árbitro.

Muito bonito no papel, mas… e a interpretação de lances passivos e ativos?

Abaixo, em: https://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/fifa-estuda-uso-de-arbitros-robos-para-marcacao-de-impedimentos-na-proxima-copa-do-mundo.ghtml

FIFA ESTUDA USO DE ÁRBITROS ROBÔS PARA MARCAÇÃO DE IMPEDIMENTOS NA PRÓXIMA COPA DO MUNDO

Sistema que cria linhas automáticas agilizaria processo do VAR e poderia até substituir os bandeirinhas na edição de 2022, no Catar

Depois de estrear o VAR na edição de 2018, a Fifa estuda outra novidade tecnológica para a próxima Copa do Mundo, em 2022, no Catar. Trata-se do uso de árbitros robôs – que podem inclusive substituir os bandeirinhas – para a marcação de impedimentos.

De acordo com o portal Daily Mail, o novo procedimento faria com que o árbitro assistente de vídeo não fosse mais responsável pela criação de linhas para avaliar um possível impedimento. Um sistema automático passaria a fazer a tarefa, soando um alarme para alertar uma posição irregular.

O sistema seria capaz de identificar qual parte do corpo do jogador está em posição de impedimento e levaria em conta até o tamanho dos pés de cada um. A preocupação sobre câmeras de televisão não terem um número suficiente de ângulos em determinados casos foi um dos motivos para a criação do mecanismo.

Johannes Holzmuller, diretor de tecnologia da Fifa, acredita que a medida pode economizar tempo durante as decisões do VAR e tornar o processo mais rápido. De acordo com a publicação, testes internos foram realizados no último Mundial de Clubes, conquistado pelo Liverpool, e mais experimentos estão previstos para o segundo semestre de 2020.

30345392-8486311-image-a-15-1593763741201

Sistema estudado pela Fifa cria linhas automáticas e dispara alarme para avisar árbitro — Foto: Reprodução/Daily Mail

– Calote da FERJ nos árbitros? E com recibo assinado?

Li com muito espanto esta matéria, abaixo, reproduzida pelo site ApitoNacional.com: a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro não pagou os árbitros desde que voltou-se a jogar futebol por lá?

Pior: os árbitros assinam um recibo no vestiário sem ter recebido suas taxas, segundo noticia a publicação!

Se confirmado, não é só uma situação deselegante. É crime!

Extraído de: http://www.apitonacional.com.br/noticias/FERJ-nao-paga-taxa-dos-arbitros-dos-jogos-durante-pandemia-do-coronavirus.html

FERJ NÃO PAGA TAXA DOS ÁRBITROS DOS JOGOS DURANTE PANDEMIA DO CORONAVÍRUS

Enquanto a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e algumas outras federações antecipam taxas de arbitragens para amenizar a crise vivida pelos profissionais do apito durante a pandemia do coronavírus, a FERJ (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) não vem pagando, como deveria, as taxas dos jogos de retorno do futebol realizados após a paralisação das atividades do estadual.

Segundo informações, as taxas de arbitragem dos jogos da 4ª e 5ª rodada e Semifinal da Taça Rio, realizados após o retorno do futebol carioca, não foram pagas. Usando como exemplo por ter sido escalado nas três rodadas, o árbitro FIFA Wagner Nascimento Magalhães, teria algo em torno de 9 mil reais para receber.

Antes da paralisação do campeonato carioca por conta da pandemia, os árbitros recebiam as taxas adiantadas em depósitos bancários. Porém, no retorno, apesar de terem que assinar os recibos nos vestiários como se tivessem recebidos, não receberam nada como exigido pela lei federal do estatuto do torcedor. Os profissionais, que estão em dificuldades financeiras por conta de não trabalharem na quarentena por conta da pandemia reclamam muito e diz se sentirem intimidados para fazer qualquer reclamação temendo represálias.

No Campeonato Carioca deste ano, um árbitro FIFA recebe 3.8 mil por partida enquanto um CBF 2.500 e um básico 1.200.

FERJ-nao-paga-taxa-dos-arbitros-dos-jogos-durante-pandemia-do-coronavirus02

O que eles disseram

Procurado, Luís Carlos Santiago, presidente da comissão de arbitragem da FERJ, disse desconhecer o assunto. Já o diretor de arbitragem Luís Mairovitch, não respondeu o contato até o fechamento desta matéria.

FERJ-nao-paga-taxa-dos-arbitros-dos-jogos-durante-pandemia-do-coronavirus01

Presidente da comissão de arbitragem Luís Carlos Santiago e Luís Mairovitch presidente do departamento de arbitragem

 

– Juventude ou Vivência para apitar um jogo de futebol?

Compartilho artigo de minha autoria, publicado aqui no blog em 2010 e extremamente pertinente:

JOVIALIDADE CONTRA EXPERIÊNCIA NA ARBITRAGEM

Poderia até soar demagogo o título deste artigo. Ao contrário, ele vem dar o tom para um debate que certamente ocorrerá ao longo do ano: a renovação do quadro de árbitros do futebol brasileiro.

A Comissão de Árbitros da CBF anunciou que os árbitros a ingressarem no Quadro Nacional em 2010 deverão ter até 30 anos de idade. Tal medida servirá de subsídio para aplausos e vaias, de acordo com o enfoque desejado.

Uma renovação com nomes jovens e desconhecidos, a fim de realizar um trabalho de base, com treinamento técnico e teórico, é uma medida sensacional. Porém, dificultosa por alguns motivos: terão os clubes paciência para o amadurecimento desses árbitros? O trabalho de preparação dos nomes em treinamentos seria feito como? A estrutura financeira do futebol permitiria tal trabalho? Os jovens teriam a garantia de escalas?

Um grande ponto a favor seria o condicionamento físico, num momento em que o futebol é muito mais corrido do que jogado. O ponto negativo, claro, a inexperiência.

Já a renovação com nomes alternativos (não necessariamente tão jovens), a fim de oxigenar a atual relação, dando oportunidades a talentos das federações estaduais que até então, por número de vagas escassas, não apareceram no cenário nacional, se adotada para 2010 será contestada: de onde viriam esses nomes jovens a serem indicados? Quem os garantiriam ou os respaldariam em caso de pressão de dirigentes? Como não queimar jovens talentos e lançá-los em jogos adequados?

Um grande ponto a favor de nomes “alternativos” seria a experiência adquirida em campo em contrapartida dos novatos. O ponto negativo, claro, é o vício que poderão carregar pelos anos de apito (e entenda-se na linguagem do árbitro de futebol como “vício” os costumes e hábitos adquiridos na maneira de apitar e no estilo de arbitragem, difíceis de serem eliminados ao longo do tempo).

E aí virá a discussão. O que é mais necessário hoje: jovialidade ou experiência?

Para responder tal questão, leve em conta os fatores:

– Condicionamento físico;
– Capacidade de fazer a leitura do jogo durante a partida;
– Conhecimento de artimanhas e características de atletas já trabalhados em outras partidas;
– Histórico de arbitragem;
– Rodagem em campeonatos e clubes diversos;
– Respeitabilidade adquirida ao longo dos anos;
– Idade madura do árbitro (qual é a maturidade do jogador e a do árbitro?)

Tal tema é de dificílimo trato. E a implantação de tal projeto carece de força e apoio. Desejo boa sorte a Sérgio Correa nesta ousada empreitada. E que os clubes tenham paciência em entender o processo de renovação proposto.

Vale lembrar que tal assunto não se restringe apenas ao mundo do futebol. No dia-a-dia, em qualquer seara, se discute sobre a renovação profissional, o momento dela, e o costumeiro debate: jovens ou seniors? No mundo corporativo, isso é cotidianamente questionado.

Por fim, talvez algo a ser exaltado: a troca de informações entre gerações! Um jovem inexperiente interagindo com alguém tarimbado é ótimo, bem como um experiente aprendendo inovações com os mais novos.

Tipos de intercâmbio: experiências que podem mudar a sua vida!

– A nova camisa do Chelsea confundirá ou não?

Eis a nova camisa do Chelsea, com a Three Global, uma empresa de telecomunicações do grupo CKHH Company.

Repararam que a logo é um grande número 3?

Nada impede pela Regra do Jogo tal uniforme, mas é claro que surgirá a discussão se não haverá confusão na hora do árbitro advertir um jogador e se confundir, creditando o cartão ao número 3 da equipe.

Nos jogos entre Seleções, onde as camisas são limpas de patrocinadores (permitido apenas o fornecedor de material esportivo), os números na frente da camisa são permitidos.

– Por quê os árbitros escolheram José Aparecido de Oliveira para o TJD-SP?

Leio no site do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (SAFESP) que o ex-árbitro José Aparecido de Oliveira foi escolhido como representante da entidade no Tribunal de Justiça Desportiva do Estado de São Paulo (TJD-SP) pelo presidente do Sindicato, Aurélio Santanna Martins, para o período de Julho/2020 até Julho/2024.

Na briga eleitoral para a presidência do SAFESP, a indicação do membro do TJD-SP sempre foi muito discutida. Por exemplo: por quê Arthur Alves Júnior, o antigo presidente, indicou o deputado Olim (PP-SP) para o cargo sem uma justificativa plausível (já que ele não era do meio da arbitragem)? Qual o critério ou mérito para tal? Isso foi inclusive discutido em: https://is.gd/meD03y.

A questão se repete agora: sumido do mundo do futebol, sem grandes trabalhos realizados no esporte ou na mídia esportiva desde o polêmico jogo entre Palmeiras x Corinthians do Campeonato Estadual de 1993 (que ficou ironizado por muitos como “Esquema Parmalat”, já que nunca se provou nada contra José Aparecido), por quê tal nome?

A justificativa, extraída do próprio site da entidade, é de que:

“Oliveira foi um dos grandes nomes da arbitragem no cenário paulista e nacional, e também foi árbitro FIFA por 2 temporadas (1992/93). Apitou 3 finais paulistas (1990, 1992 e 1993), a primeira final do Brasileiro de 1990 e a final da Copa do Brasil de 1992. ‘Estamos certos de que o Dr. José Aparecido terá no TJD o mesmo sucesso e alto nível que teve em campo como árbitro. Confiamos em sua história, em seu nome e seu trabalho.’ – comentou o presidente do SAFESP”.

Não sei se José Aparecido de Oliveira é uma boa escolha para a função, pois não conheço a fundo suas qualidades para esse cargo indicado. Quem teve a ideia do seu nome, possivelmente, deve depositar esperança de um bom trabalho. Mas a curiosidade continua a ser: tão afastado que estava, de onde surgiu o “start” para convidá-lo?

Não é, de fato, intrigante?

A última vez que eu tinha ouvido falar do José Aparecido foi quando ele venceu o câncer de estômago que sofreu, nesta entrevista (link abaixo) em que ele relembra a citada partida (na época, o atual presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, era membro da Comissão de Arbitragem que o escalou para a decisão).

Em: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2016/06/08/apos-23-anos-juiz-de-palmeiras-x-corinthians-conta-segredo-e-erro-na-final.htm

622_819593ca-7f1c-3b76-8620-85eb454665a0

(foto: ESPN Brasil, extraída de: http://www.espn.com.br/noticia/689467_godoi-detalha-arbitragem-polemica-que-tirou-palmeiras-da-fila-e-diz-que-juiz-do-jogo-depois-foi-vendido-para-ajudar-argentina)

 

– Os 10 incríveis erros de arbitragem

Este vídeo mostra dez absurdas decisões dos árbitros em lances teoricamente fáceis. Fica a inevitável pergunta: como se erra de tal forma?

A tecnologia, sem dúvida, ajudaria a resolver tais equívocos…

Em: https://www.youtube.com/watch?v=S21CvY6jJyQ&feature=youtu.be