– Os Clubes da Libertadores NÃO querem o VAR na competição!

Leram a Coluna “De Prima” do Jornal Lance de hoje?

As equipes brasileiras que estão classificadas para a próxima fase da Libertadores da América não querem a utilização do árbitro de vídeo na competição.

Motivo?

Eles crêem que o tempo de treinamento para os árbitros que trabalharão com esse equipamento é insuficiente para o bom uso.

Em tempo: o árbitro brasileiro que mais tem trabalhado na Libertadores é Wilton Pereira Sampaio (que apitará Grêmio x Corinthians no próximo domingo). Já Sandro Meira Ricci é o brasileiro que tem atuado como VAR pela FIFA na Copa das Confederações. Esses dois juízes seriam utilizados pela Conmebol para a função de vídeo-árbitro na Libertadores, se for mantida a ideia da Conmebol.

Me preocupa o seguinte: Juan Antonio Pizzi, treinador da Seleção Chilena, disse em um dos jogos da Copa das Confederações neste ano: “o grande problema do árbitro de vídeo é a cultura”, ao falar sobre as reclamações de determinados selecionados e a passividade de outras equipes.

Imaginaram em alguma das “Arenas Havaianas” (em referência aos estádios ruins e aos chinelos arremessados pelos torcedores selvagens de alguns clubes sulamericanos) quando o jogo ficar parado e a decisão for pró-clube visitante?

E você, o que acha: deve-se utilizar o VAR nas próximas fases da Libertadores ou não?

A propósito, Gianni Infantino, presidente da FIFA, está feliz com o vídeo-árbitro e tem embaixo dos braços um “pacotão de mudanças da regra a ser estudado”. Clique aqui para conhecê-las (será um novo esporte?), em: http://wp.me/p55Mu0-1vC

bomba.jpg

– As Futuras Mudanças das Regras do Futebol em Discussão!

Estamos vendo muita confusão com pequenas mas significativas mudanças nas regras e orientações no futebol, como, por exemplo, a questão do impedimento (precisa-se de “bula” para as novas interpretações).

Mas se você acha isso “radical demais”, saiba: a International Board redigiu uma proposta de estudos para a alteração profunda do futebol chamado de “Play Fair, em alusão à expressão Fair Play, dividindo as mudanças em “viáveis a curto, médio e longo prazo”. Com isso, se deseja que o futebol alcance a melhora de 3 pontos:

  1. respeito do comportamento do jogador,
  2. aumento do tempo de bola rolando e
  3. a legitimação dos resultados (fim dos erros de arbitragem).

O documento original, em inglês, pode ser acessado no PDF que segue: http://www.play-fair.com/data/Strategy_Paper_EN_150dpi_Doppelseiten.pdf (ops: o arquivo é bem pesado, tenha acesso a uma boa conexão para acessá-lo).

Algumas das propostas são:

– Faltas, escanteios e tiros de meta poderiam ser cobrados para o próprio jogador (não precisará que outro atleta toque a bola, pode sair jogando sozinho),

– Aplicação de Cartões Amarelos e Vermelhos para os membros de Comissão Técnica (quantos treinadores levariam amarelo no Brasileirão, não?),

Acabar com o rebote do pênalti. Se a bola não entrar no gol, reinicia-se o jogo com tiro de meta.

– Só se poderá encerrar o 1o e o 2o tempo com a bola parada, nunca com a bola rolando,

– A mudança do tempo de jogo para 2 tempos de 30 minutos, com o árbitro paralisando o seu cronômetro a cada interrupção, sendo que os torcedores acompanhariam o relógio do juiz através de cronômetros no estádio (o relógio do tempo de jogo voltará!).

Cobranças de pênalti alternadas (bate o time X, depois duas vezes o Y, depois se faz a repetição ao inverso).

E aí, o que acham das idéias? Teriam mais algumas?

bomba.jpg

– Os dois erros de arbitragem na partida Coritiba 0x0 Corinthians

Dois lances polêmicos no Couto Pereira, em Curitiba, para Coritiba 0x0 Corinthians. Vamos lá?

1) O zagueiro Márcio (CFC), APÓS disputa de bola com Romero (SCCP), dá um tapa no rosto do atacante. Repare que não é aquela “mão que o jogador deixa propositalmente sobrar” (e que também é faltosa) para tentar roubar a bola. É agressão, independente da intensidade do tapa no adversário. O árbitro Marcelo de Lima Henrique, que estava bem técnica e disciplinarmente, deveria ter expulsado o atleta coxa-branca. Assista o lance em: pic.twitter.com/51nWL0ifyW

2) O lance de impedimento do atacante Jô: não há o que discutir, pois ele está atrás da linha da bola. Por ser lance rápido, no final do jogo, sob efeito de cansaço, bobeou o bandeira Micahel Correa (aqui, o árbitro não tem culpa alguma).

De lamentável o episódio já citado da briga pré-jogo nas ruas da capital paranaense. Lamentável, em: http://wp.me/p4RTuC-j3a

DCnZE24WsAQ2evU

– O polêmico gol contra no lance de David Braz em Santos 0x0 Ponte Preta

Lance difícil para arbitragem por culpa do bololô de jogadores, onde o árbitro Igor Benevenuto (pelo posicionamento e responsabilidade da jogada) deve ser absolvido, e o erro creditado ao bandeira 1 Márcio Eustáquio Santiago. Vamos ao lance:

Uma falta a favor da Ponte Preta é cobrada por Lucca, em direção à área do Santos. No lance, Elton está em posição de impedimento (mas vai estar impedido de jogar se tocar a bola, bloquear um adversário ou tirar proveito de um rebote da trave ou do goleiro, por exemplo). A bola é cabeceada pelo santista David Braz e vai ao gol. Gol contra do Santos, tento que deveria ser confirmado para a Ponte Preta.

O árbitro não pode ser culpado pois ali estavam diversos jogadores. Por experiência, é muito difícil precisar, pela posição que ele está em campo, de quem foi o cabeceio final. O bandeira poderia ajudar, já que lateralmente vê que a bola não é cabeceada pelo pontepretano. Aliás, quem mais poderia dirimir a dúvida é o AAA número 1 Emerson de Almeida Ferreira, que está em posição privilegiadíssima! Mas ninguém ajudou o juizão e o gol foi anulado, prejudicando a Macaca.

IMPORTANTE – se fosse no Paulistão, com a Regra que era vigente, você poderia anular o gol alegando (como fez) o comentarista da Sportv durante a transmissão. Mas agora, com a necessária participação ativa (tocando na bola ou diretamente no adversário com o contato), o impedimento tem que ser marcado com a mais ciente e efetiva interferência. O cabeceio de David Braz para o próprio gol não conta com a ação efetiva do adversário, que está em posição de impedimento, mas passivo (pelas novas normas desde maio no Brasil, desde ontem na Copa das Confederações e a partir de 1o de julho no restante do mundo).

CURIOSIDADE – Se David Braz acerta a trave e o rebote fica com Elton, não há mais impedimento. Se a bola desvia no santista e sobra para Elton, não mais também. Se Elton tentasse dominar e antes do toque (que efetivaria o impedimento ativo) ele é tocado, marca-se o pênalti!

Vale a atenção para que todos do mundo do futebol se atualizem com a nova regra!

O vídeo está nesse link, e o lance em: http://globoesporte.globo.com/tempo-real/videos/v/nao-valeu-lucca-cruza-david-braz-faz-contra-e-juiz-marca-impedimento-aos-39-do-1o-tempo/5947971/

bomba.jpg

– Rússia 2×0 Nova Zelândia. E cadê os brazucas?

Na plateia da abertura da Copa das Confederações 2017, estava o Rei Pelé, ao lado de Gianni Infantino (presidente da FIFA) e do todo-poderoso Vladimir Putin (o presidente Russo).

Dentro de campo, jogaram Rússia (que abriu mão do lateral brasileiro Mário Fernandes, ex-Grêmio e atualmente no CSKA – e que um dia recusou a convocação para a Seleção Brasileira) contra uma seleção neozelandesa praticamente amadora (com descendentes de latinos e europeus).

Uma curiosidade: a Rússia está jogando o torneio com uma seleção em que todos os convocados jogam no próprio país (não é opção, é que o treinador os considera os melhores do que os do Exterior). Na lista, o 3o goleiro é o brasileiro naturalizado Guilherme Marinato (que não jogou).

A competição não terá nenhum árbitro brasileiro apitando (teremos Nestor Pitana da Argentina e Wilmar Roldán da Colômbia representando a Conmebol). Mas terá um representante da arbitragem tupiniquim: Sandro Meira Ricci, que será Vídeo Árbitro no torneio.

Em outros tempos, o presidente da CBF viajaria para a FIFA e conseguiria mais prestígio para o país. Mas hoje… não sai do seu bunker.

Aliás, a Rússia anunciou que pode ter assassinado o líder do grupo terrorista Estado Islâmico (ISIS) há um mês, em um ataque com mísseis. Se comprovado, imagine o medo de atentados por lá, devido ao sabido ódio e desejo de vingança dos membros desses malucos.

bomba.jpg

– Mea Culpa sobre a postagem da rodada de meio de semana!

Duas observações que devo fazer sobre a última postagem da analise de jogos (vide em: http://wp.me/p55Mu0-1uE).

A respeito de Sport x São Paulo, além do pênalti de Thomás, houve uma não expulsão claríssima de Wesley! Passou despercebido por mim. Simplesmente não vi o lance durante o jogo (devo ter dormido, idoneidades ao banheiro, sei lá). Como ouvi muita gente falando, procurei e… que susto! O são-paulino errou o chute na bola e deu um pontapé no adversário. É para Cartão Vermelho, indiscutivelmente.

Também sobre o meio de semana, os dois lances reclamados por Edu Dracena (o do gol de Kayke) e o do pênalti reclamado: no primeiro, mantenho: o contato físico não foi suficiente para desequilibrar o atleta, que posteriormente, provavelmente por estar em velocidade, tropeça nas próprias pernas. Mas o segundo, “pintou” uma dúvida por uma outra câmera que eu não tinha visto: houvera ocorrido, por um lado cego, um puxão? Fiquei na dúvida, pois pela imagem mais clara que vi, não marcaria. A outra, que me levou a ter dúvida, pode me desmentir sim (isso mostra o grau de dificuldade para tal análise). 

bomba.jpg

– Pitacos da Arbitragem de Sport 0x0 São Paulo, Corinthians 1×0 Cruzeiro e Santos 1×0 Palmeiras. As teorias conspiratórias ressurgem…

Não gosto de ilações feitas nas redes sociais movidas por apaixonados. Mas que as teorias conspiratórias surgem cada vez mais, não tenhamos dúvida!

Os exemplos podem ser vistos na última rodada (e aqui nem relato a situação discutida na Ressacada, domingo passado, em Avaí x Flamengo, onde um pênalti foi anulado corretamente a favor do Flamengo, mas de maneira suspeita pelo uso proibido de informações externas – o Avaí disse a Marco Polo Del Nero e ao Coronel Marinho que usará câmeras com filmagens Full Time no quarto árbitro e no delegado de cada partida a partir de agora).

Vamos aos jogos:

1 – SPORT 0X0 SÃO PAULO: Sim, o tricolor Thomaz (SPFC) comete uma infração ao empurrar Samuel Xavier (SPORT). Se fosse no meio de campo, talvez Heber Roberto Lopes marcasse tiro livre direto. Mas dentro da área, não tão bem posicionado, errou ao não marcar pênalti. Prejuízo ao time de Recife. Para as teorias conspiratórias, privilegiou-se o time grande. Prefiro crer em erro normal de arbitragem.

(COMPLEMENTANDO ACIMA, NA POSTAGEM EM: http://wp.me/p55Mu0-1v9)

2- CORINTHIANS 1X0 CRUZEIRO: existiram erros de impedimento para os dois times, mas o time mineiro reclama do puxão (existente) de Pablo (SCCP) em Ábila (CRU) dentro da área. Errou Leandro Pedro Vuaden, pois foi pênalti (o corintiano ganha a disputa de bola do cruzeirense por puxá-lo na hora em que a bola é levantada). O Árbitro Assistente Adicional 2, bem de frente ao lance, nada ajudou. Para as teorias conspiratórias, novamente uma partida entre esses dois times com erro premeditado (desde o jogo em que Sandro Meira Ricci apitou pênalti em Ronaldo e Zezé Perrella ameaçou todo mundo de contar algo que sabia – e que nunca falou – se reclama de favorecimento ao Timão).

3- SANTOS 1X0 PALMEIRAS: Duas reclamações palmeirenses: a do 1o gol, quando Edu Dracena (SEP) está disputando a bola com Kayke (SFC). O santista até está com o braço aberto, existindo contato físico, mas não faltoso. Me parece sinceramente que Dracena tropeça quando está correndo. Gol legal. E no lance derradeiro do jogo, onde Edu Dracena reclama de puxão de Lucas Veríssimo, o erro foi do comentarista da arbitragem, Paulo César de Oliveira, que disse na TV Globo que o palmeirense estava em impedimento quando sofreu o puxão (supondo que não poderia marcar o tiro penal). Ora, se está em impedimento e não tocou o adversário ainda em disputa de bola, pelas novas orientações da regra já em vigor, você deve dar o pênalti! Porém, a imagem de que Lucas Veríssimo puxa Dracena não me convence, pois tenho a impressão de que aquele contato físico não teria força suficiente para derrubá-lo (repare como ele tenta disputar a bola – que não seria alcançada – caindo). Provavelmente, Dracena, ao recordar as reclamações do primeiro lance, tentou reclamar uma segunda vez para conseguir benesse nesse lance final, mas não ludibriou o árbitro Wilton Sampaio. Mas para quem gosta de conspirações, vai lembrar que o Santos ganhou no minuto final com falta inexistente contra o Botafogo e que o atual comandante da arbitragem, Coronel Marinho, era o nome pedido do presidente Modesto Roma para que assumisse o cargo de Sérgio Correa, seu desafeto (Modesto fez lobby publicamente).

Fora do estado de São Paulo, ouço alguns bochichos de que a “paulistada” está reinando na CBF. Afinal, Marco Polo é o presidente, Walter Feldman e Marco Aurélio tem cargos de direção, Reinaldo Carneiro é quem representa a entidade lá fora, Cel Marinho comanda a arbitragem, Ana Paula Oliveira é diretora da Escola de Árbitros, Sérgio Correa é o desenvolvedor do árbitro de vídeo, e outras pessoas importantes que trabalhavam na Federação Paulista com Del Nero estão na CBF.

Não creio em conspiração, creio em apadrinhamento e incompetência de alguns citados. Há muito “bola murcha” mandando no futebol…

bomba.jpg

– Os lances polêmicos de Corinthians 3×2 São Paulo e Avaí 1×1 Flamengo

Boa arbitragem com erros e Má arbitragem com acertos. Tudo por vias tortas! Me refiro, respectivamente, do jogo da Arena Corinthians e do Estádio da Ressacada.

Vamos lá:

A- CORINTHIANS 3X2 SÃO PAULO

Cinco situações para serem discutidos no Majestoso:

1) Cássio, o goleiro do Corinthians, entrou em campo com a mesma cor do uniforme da arbitragem. Não pode! Saiba: o time da casa é que usa o seu uniforme principal (é seu direito); o time visitante usa cores diferenciadas e contrastantes do adversário; os goleiros vestem cores diferentes dos seus companheiros de linha (que não confundam os atletas) e que sejam também diferentes da arbitragem!

Portanto, o quarto árbitro, que vai ao vestiário confirmar as cores do uniforme, deve se certificar em especial das cores do goleiro. Se o Cássio entrasse de azul, Ricardo Marques Ribeiro e o restante do sexteto de árbitros deveriam entrar de amarelo. Como Cássio foi de amarelo, deveriam entrar de azul. Ou não houve trabalho correto do quarto árbitro mineiro Sidmar dos Santos Neurer? Em determinado momento do 1o tempo, estavam árbitro, quarto arbitro e assistente adicional juntos. Todos de amarelo. Aí fica feio…

Aliás, foi visível pela TV que em cada saída de túnel havia 2 cartolas “alto escalão” da FPF trabalhando remuneradamente, com caderno na mão e rabiscando vez ou outra. Precisa tudo isso para avaliar árbitros? A figura do “delegado da partida’ foi subdividida para contentar todo mundo, não?

2) O gol de Gilberto: após a cobrança de falta, numa visível jogada ensaiada pelo time do São Paulo, os jogadores ficaram esperando em linha a cobrança de falta. Por míseros centímetros Gilberto estava à frente e fez o gol de cabeça irregular. Aqui, que não se critique o árbitro Ricardo Marques Ribeiro, pois o erro (tolerável, pela extrema dificuldade) foi do bandeira Pablo Almeida da Costa. E provavelmente o erro se tenha dado pelo fato de que, mais acima da área, um jogador do São Paulo encobria a visão do bandeira. Reveja o gol e perceba: o bandeira está ofuscado por um são-paulino e nem vê Gilberto!

3) A mão de Lucão dentro da área: não houve intenção alguma, não vale repetir o discurso de “correr risco” – que não existe, pois risco é imprudência e não é quesito de avaliação, mas sim a intenção subjetiva / movimento antinatural. Portanto, não foi pênalti. Acertou Ricardo Marques Ribeiro.

4) Douglas (SPFC) em disputa de bola com Jô (SCCP) o atinge. É falta para tiro livre direto e aplicação de cartão amarelo. Mas já que vale a REGRA NOVA a partir desta temporada 2017/2018, se for tal lance dentro da área, se marca o pênalti e não se aplica o cartão amarelo (e se estivesse com o gol aberto, livre, sem goleiro, se marca o pênalti e aplica o cartão amarelo e não mais o vermelho – isso desde a temporada 2016/2017). Fora da área, continua valendo o amarelo para tais lances e vermelho para situação iminente de gol. Acertou novamente Ricardo Marques Ribeiro.

5) A cobrança de pênalti do Corinthians: houve nítida invasão de área na cobrança de Jadson, e foi na frente do árbitro. Na hora do chute, um atleta corintiano bem próximo do árbitro invade a grande área e está quase a frente do juiz quando Jadson chuta ao gol. Como foi gol, o procedimento correto é: cobra-se o tiro penal novamente a aplica-se o cartão amarelo ao atleta do Corinthians que invadiu (esse detalhe também faz parte das Regras alteradas para 2017/2018). Erro de Ricardo Marques Ribeiro, à sua frente.

Enfim: um gol para cada equipe irregular, com graus de dificuldade diferentes na tomada de decisão, numa arbitragem (apesar disso) que não aparentou ser ruim.

B- AVAÍ 1 X1 FLAMENGO

Paulo Schleich Vollkop, árbitro sul matogrossense, eventualmente aparece nas escalas do Campeonato Brasileiro, faz má arbitragem e some de cena. Aí volta a apitar e faz a mesma coisa. É um ciclo que não termina nunca. Talvez por ser tão jovem (tem 32 anos, embora há tempos seja escalado), se dá tantas oportunidades.

Na Ressacada, um verdadeiro circo! Aos 34 minutos do 2o tempo, Everton (FLA) está tentando roubar a bola de Diego Tavares (AVA). O Flamenguista chega a tocar seu braço no corpo do adversário, que dobra as pernas e simula ter sofrido penalidade. Claro teatro, onde o jogador catarinense deveria ter recebido o cartão amarelo. E na MAIOR CARA DE PAU, ELE COMEMORA, VIBRA, GRITA DE ALEGRIA. Cadê o Fair Play, em lance tão bisonho?

Na sequência, o AAA (Árbitro Assistente Adicional 2) Paulo Henrique de Melo Salmázio é consultado, bem como o Bandeira 2 Leandro dos Santos Ruberdo. Ambos não contrariam a decisão do árbitro. Bola na marca do cal, todo mundo posicionado (isso levou 2’20”) e… o árbitro vai consultar novamente o AAA2 que muda de opinião. Se vira para o bandeira e idem!

Quer me fazer acreditar que ninguém informou com base em imagens de televisão que não foi pênalti? Resta saber: quem foi o elemento que soprou para os outros 3 elementos do sexteto do Mato Grosso do Sul a informação? Teria sido o mesmo que em 2015 influenciou 4 jogos TAMBÉM em Santa Catarina?

Caso não se recorde dessas partidas, compartilho o link da publicação deste tema em 2015, onde até tivemos “desexpulsão”. Reveja em: http://wp.me/p55Mu0-Ak

Por vias tortas e erro no procedimento, acertou-se em não marcar o pênalti! É mole?

A propósito, o vídeo do pênalti desmarcado e toda a confusão está acessível em: http://globoesporte.globo.com/futebol/noticia/polemica-que-se-repete-relembre-jogos-em-que-houve-suspeita-de-interferencia.ghtml

– Anúncio de tentativa de manipulação, a CBF com a possível briga com a Globo, e justo às vésperas de delação? Tudo coincidência?

A transmissão de Brasil x Argentina fora da Rede Globo trouxe uma esperança: teria a CBF brigando com a Vênus Platinada?

Se sim, ótimo!

Imaginem que quando Ricardo Teixeira estremeceu as relações com a empresa (que muito em breve, segundo gente que entende do riscado, fará uma arrasadora delação ao FBI sobre desvios de dinheiro na FIFA e na CBF), Marcelo Rezende, então para o Jornal Nacional, mostrou as falcatruas que envolviam Ivens Mendes na Comissão de Arbitragem. Posteriormente, foi Eurico Miranda quem provocou a emissora e teve que aceitar a represália dizendo: “a pior coisa que existe para um homem é ganhar 30 segundos no JN”.

Nessa semana, por coincidência, a Corregedoria da Arbitragem anunciou em documento enviado a clubes e árbitros que existe gente conhecida do meio tentando assediar e manipular placares de suas competições.

É muita coisa estranha ao mesmo tempo? Hipoteticamente, algo grande estaria para ser revelado pela Globo e alguém se apressando a alertar?

Hum… acho que tudo isso será bom para uma “Lava Jato do Futebol Brasileiro”…

bomba.jpg

– Quem é o Picareta solto?

Manipulação de “mentira”?

Um agente que “vende” mas não entrega os resultados?

Conversa de “carteirada” de malandro?

Parece mais uma conversa entre Ivens Mendes e Dualib, nos anos 90, quando se “vendia um placar mas não se avisava os árbitros da falcatrua a ser feita”. A CBF, através do Dr Edson Rezende, corregedor da arbitragem (esse eu respeito, um homem sério e justo), divulgou há pouco uma nota em que diz existir um elemento CONHECIDO tentando vender resultados em meio aos árbitros e os clubes filiados à entidade!!!

A Circular divulgada publicamente somente hoje (08/06) alerta para tentativa de manipulação (datada aos árbitros em 05/06/2017), pode ser lida no link: http://cdn.cbf.com.br/content/201706/20170608075119_0.pdf

Ops: uma segunda circular, agora alertando os clubeshttp://cdn.cbf.com.br/content/201706/20170608075155_0.pdf

bomba.jpg