– Didaticamente, explicando o Erro de Direito em Ceará 1×1 São Paulo.

Para que não existam dúvidas, em vídeo, a explicação do erro ocorrido na anulação do gol de Pablo, cujo lance pode resultar em anulação do jogo.

Em: https://www.youtube.com/watch?v=6dbQ9HYRItQ

– O pênalti inexistente em Coritiba 0x1 Corinthians

Quando falamos de subjetividade na interpretação da Regra do Jogo, damo-nos ao “luxo” de criar várias hipóteses para explicar certas situações. Mas em alguns não precisam de tanta “lenga-lenga”, pois são mais objetivos!

Por exemplo: a bola que Lucas Piton (SCCP) chuta para o gol e bate sem querer no braço de Maílton (Coritiba). Ali, não há intenção, não há movimento antinatural ou intenção disfarçada, não há tentativa de ludibriar a regra nem desejo de aumentar o espaço, nem qualquer coisa que possa justificar a marcação. Bateu por ocasião da jogada, simplesmente. Como tirar o braço da disputa num movimento fisiológico normal em distância tão curta?

O experiente árbitro Leandro Pedro Vuaden, que não marcou nada naquele instante, chamado pelo VAR mudou de ideia e marcou pênalti. Errou feio.

O legal seria que depois do jogo tivéssemos uma palavra da arbitragem: por quê marcou? Qual a justificativa?

Pense: e se fosse esse lance contra Corinthians, Flamengo, Palmeiras, São Paulo…?

– Desvio tira impedimento? Sobre o Erro de Direito em Ceará 1×1 São Paulo: qual será a desculpa do árbitro?

Pelo Campeonato Brasileiro, tivemos um Erro de Direito que poderá levar (caso o São Paulo deseje) a uma anulação da partida. Entenda:

  • Erro de Fato: o árbitro interpretou equivocadamente o lance e errou (como uma falta marcada ou não). Não anula uma partida.
  • Erro de Direito: o árbitro descumpriu a Regra do Jogo (permitiu que jogasse com 12, por exemplo). Pode anular a partida.

O que aconteceu foi: Wagner Magalhães (o mesmo árbitro FIFA do polêmico pênalti de Lucas Piton em América-MG x Corinthians), anulou um gol depois de ter reiniciado a partida. Não pode. Depois de cobrado um tiro livre ou penal, um arremesso lateral, escanteio, tiro de meta, bola ao chão ou chute de início / reinício de jogo, você não pode mais mudar sua decisão. E Wagner mudou!

O lance em questão foi o “duplo impedimento” de Pablo. A bola foi chutada para o gol, Pablo estava em posição de impedimento mas há um zagueiro que a intercepta (antes, desvio não tirava impedimento; hoje, desvio de adversário que tenta disputar a bola / jogada, tira). Assim, Pablo recebeu em posição legal por conta deste toque. Na sequência, há um bate-rebate e Pablo volta a ficar em impedimento, pegando o rebote do goleiro e chutando para o gol (rebote de goleiro NÃO TIRA IMPEDIMENTO).*

*CORREÇÃO: PABLO ESTÁ, NESTE SEGUNDO LANCE, ATRÁS DE DOIS DEFENSORES – não está em impedimento.

O bandeira Silbert Faria Sisquim anula corretamente o gol. O árbitro marca impedimento. Mas o VAR Carlos Eduardo Nunes Braga o chama e diz que o gol foi válido (provavelmente, o árbitro de vídeo deve ter se apegado ao 1o impedimento, que havia se tornado um lance legal, e não ao 2o, ilegal – conforme corrigido acima, legal). Wagner confirma o gol e dá o reinício. É NÍTIDO que apitou a saída de bola, mas o pára na sequência e volta a consultar o VAR, anulando o tento.

A desculpa do juizão será: “Eu apitei pedindo para esperar a minha consulta à cabine, não para o reinício”.

Resta saber: a CBF convencerá o SPFC, por falta de datas, a desistir de pedir a anulação?

Lembrando ainda: independente do gol ser regular ou irregular, não poderia ser anulado da forma que foi, descumprindo a regra. O árbitro é da FIFA e sabe que não pode…

– Os 3 erros da Arbitragem reclamados em Corinthians 0x0 Grêmio: com ou sem razão?

Andrés Sanches disse nesse domingo que vetará o árbitro Caio Max Augusto Vieira dos próximos jogos do Corinthians, devido à sua atuação na Arena NeoQuímica. Provavelmente conseguirá, mas ainda me resta uma dúvida: ele não se licenciou do Timão?

Dito isso, vamos lá: Caio Max é potiguar, tem 38 anos de idade, é professor de Educação Física (por isso corre bastante dentro de campo, é uma virtude sua), e está na 9a temporada no quadro da CBF. Sempre tem oportunidades na série A do Brasileirão, e frequentemente recebe alguma reclamação de erro pontual em suas partidas. Por ter começado jovem, acreditava-se que o tempo iria melhorá-lo, mas mesmo com a sequência de escalas que está tendo neste ano, não evoluiu a contento, já que nos jogos que eu assisto dele, não vejo transmitir segurança aos atletas.

Em Itaquera, 3 discussões mais fortes:

1- Darlan (GRE) levou corretamente Cartão Amarelo por uma falta em Cantillo (SCCP) aos 16 minutos. Três minutos depois, acertou Otero (SCCP) por trás com a mesma intensidade. Era para aplicar o Segundo Amarelo e consequentemente expulsar o gremista, mas não o fez. Renato Gaúcho, espertamente, sacou o jogador antes que existisse um “arrependimento” mais tarde. Aqui, a impressão que eu tive é que faltou “peito” para o árbitro. Trocando em miúdos: amarelou, no jargão popular!

2- Marllon (SCCP) acertou Matheus Henrique (GRE) aos 26 minutos com uma solada frontal. É indiscutivelmente para Expulsão, só que Caio deu Amarelo. Ao ver o sangramento do jogador da equipe gaúcha, mudou para Cartão Vermelho. Acertou por linhas tortas! Mas ao ir ver novamente o lance via VAR, mostrou que tinha se perdido… teria uma 3a opinião ao buscar a imagem? Mudaria para Amarelo o que houvera mudado de Amarelo para Vermelho? Neste momento, perdeu o controle da partida por se mostrar vacilante.

3- Otero (SCCP), que já tinha Cartão Amarelo, atingiu Luiz Fernando (GRE) de maneira temerária, merecendo receber a segunda advertência e por conta disso ser expulso (como foi) aos 65 minutos. Tudo estaria em ordem se não fosse o fato da jogada ter sido precedida por uma falta de Orejuella (GRE) justamente em Otero! Aí não há como defender o acerto…

Enfim: Leonardo Gaciba, chefe dos árbitros da CBF, terá mais trabalho nesta semana que se inicia.

Corinthians x Grêmio: local, horário, escalação e transmissão

– O pênalti em São Paulo 3×0 Flamengo. Correto ou não?

A pressão do Mengão na CBF pela troca do árbitro, relatada dias atrás, quase surtiu efeito e atrapalhou o poder de decisão da arbitragem no jogo entre São Paulo 3×0 Flamengo pela Copa do Brasil? Relembre-a aqui: https://wp.me/p4RTuC-sd1.

Não sei. Mas a bola que bate na mão de Brenner e que virou pênalti pelo VAR é exemplo de movimento NATURAL e não deveria ter sido marcado. Não é o caso de intenção disfarçada, correr risco ou braço movimentado antinaturalmente. Considere, ainda, a rapidez da jogada que impossibilita que o atleta recolha o braço.

Para entender melhor a regra atual, clique aqui: https://wp.me/p4RTuC-nGJ.

Por fim: lamentáveis as imagens de aglomeração e imprudência em meio à pandemia vistas no Morumbi. Compartilho uma opinião no link em: https://professorrafaelporcari.com/2020/11/19/a-irresponsavel-aglomeracao-no-mundo-do-futebol-e-ai-torcedor-do-tricolor/

São Paulo x Flamengo: veja onde assistir, escalações, desfalques e  arbitragem | copa do brasil | ge

– Os pênaltis não marcados em Corinthians 1×2 Atlético Mineiro e Botafogo 1×2 Red Bull Bragantino.

O pênalti cometido “por atropelamento” do goleiro Cleiton (RBB) em Kalou (BOT), no finalzinho do jogo (além de outros lances polêmicos) e o pênalti de Gil (SCCP) em Vargas (CAM), respectivamente na segunda e no sábado, não marcados pelos árbitros Rodolpho Toski Marques (PR – FIFA) e Rodrigo Dalonso Ferreira (SC), são lances que te deixam impressionados por serem indiscutíveis!

Eles têm algo em comum: são fáceis de se marcar. Provavelmente, os juízes desses jogos tiveram o chamado “branco”. Sabe aquela vacilada, desatenção ou traição da competência? Sempre digo: má fé, em jogo como esses e de meio de tabela, não existe. É falta de qualidade mesmo, e quando o árbitro chega em casa e vê a “cáca” que fez…

O duro é: são sempre os mesmos árbitros questionados, vacilantes e que têm eternas chances na carreira, chegando até mesmo à FIFA.

Detalhe: e o VAR, já que foram erros crassos e permitidos de interferência pelo protocolo?

– Mais uma visita de clube à CA-CBF, PARTE 2. Aceitou pressão uma vez, permitiu o precedente!

Escrevemos hoje sobre o “aceite de pressão da CBF”, mostrando que os clubes querem “escolher seus árbitros” já que Leonardo Gaciba deu liberdade a eles.

Vide esse texto em: https://wp.me/p4RTuC-scz

Pois bem: não é que agora é a vez do Flamengo se sentir no direito de pedir veto?

Veja o comunicado abaixo, pedindo troca de arbitragem contra o São Paulo:

– Mais uma visita de clube à CA-CBF. Aceitou pressão uma vez, permitiu o precedente!

Depois de ter aceito uma primeira vez a pressão dos clubes sobre os árbitros, a Comissão de Árbitros da CBF abriu um precedente perigoso: a qualquer dúvida ou erro real, os cartolas farão suas queixas visando compensações.

Você já viu a mesma volúpia dos dirigentes para reclamar de erros que levaram favorecimento para suas equipes?

A verdade é: os clubes pensam apenas no seu umbigo, não na melhora em geral da arbitragem.

Em: https://globoesporte.globo.com/google/amp/futebol/times/sao-paulo/noticia/noticias-spfc-sao-paulo-aciona-cbf-var-imagens-gol-fortaleza.ghtml

DIRETORIA DO SPFC ACIONA CBF E PEDE IMAGENS DO VAR EM PRIMEIRO GOL DO FORTALEZA

Tricolor vence jogo, mas reclama de lance que abriu o placar na Arena Castelão, neste sábado

Por Marcelo Hazan

A vitória por 3 a 2 sobre o Fortaleza na noite deste sábado, na Arena Castelão, não impediu a direção do São Paulo de protestar contra a arbitragem por causa da validação do primeiro gol do time cearense, marcado por David, que abriu o placar no primeiro tempo.

A diretoria do São Paulo pediu à CBF a apresentação das imagens utilizadas pelo VAR, que detectaram posição legal de David após um lançamento. Em campo, a marcação foi de impedimento. Depois da consulta ao vídeo, o gol acabou validado.

Depois da partida, dirigentes do São Paulo entraram em contato com a Comissão de Arbitragem da CBF para solicitar as imagens e tentar retirar qualquer desconfiança ou dúvida.

O jogo teve outras decisões tomadas com a ajuda do VAR: um gol anulado do Fortaleza, também de David, por falta no zagueiro Diego Costa, e a confirmação do segundo gol do São Paulo, de Luciano, após análise sobre um toque de mão.

O São Paulo já reclamou de lance semelhante em jogo contra o Atlético-MG, no primeiro turno do Brasileirão, no Mineirão, quando um gol de Luciano foi anulado por impedimento. O Tricolor chegou a pedir a anulação do jogo por um suposto erro de direito, mas não obteve sucesso.

Sportbuzz · Federação Paraibana afirma que fórmula do Brasileirão poderá  sofrer mudanças; entenda!

– Gatito Fernandes, do Botafogo: de crítico do VAR a defensor!

O STJD puniu o goleiro botafoguense Gatito Fernandes por ter chutado o equipamento do VAR dias atrás. Mas a punição surgiu de um acordo com a defesa, resumindo-se basicamente em 3 jogos de suspensão, multa e… gravação de um vídeo defendendo o uso do VAR!

E aí, o que você acha desse vídeo? Sincero não será; mas servirá como algo educativo ou somente punitivo?

Extraído de: https://www.fogaonet.com/noticia-em-destaque/stjd-suspende-gatito-botafogo-tres-jogos-chute-var/

STJD SUSPENDE GATITO

A Procuradoria da Justiça Desportiva ofereceu Transação Disciplinar ao goleiro Gatito Fernandez, do Botafogo. Denunciado por chutar e danificar o equipamento do VAR em partida da Série A do Campeonato Brasileiro, o goleiro do Botafogo acolheu a oferta de Transação da Procuradoria e terá que cumprir três partidas de suspensão no Brasileirão, além de arcar com pouco mais de R$ 26 mil pelo ressarcimento à CBF pelos danos causados ao equipamento. A proposta de Transação Disciplinar foi homologada nesta sexta, dia 13 de novembro, pelo vice-presidente administrativo e auditor do Pleno, Felipe Bevilacqua.

Gatito foi denunciado pela Procuradoria por infração cometida na partida entre Botafogo e Internacional. Na partida o clube carioca teve dois gols anulados pelo árbitro de vídeo e, após o apito final, enquanto deixava o campo de jogo em direção ao vestiário, o goleiro Gatito Fernandez chutou e derrubou a cabine do VAR.

Além do fato ter sido narrado na súmula da partida, o relatório do jogo enviado ao STJD do Futebol relata que o equipamento foi danificado, além de apresentar fotos e informar o custo aproximado de USD 9.500 para importação de uma nova aparelhagem.

Pelos fatos narrados a Procuradoria denunciou o goleiro do Botafogo por infração ao artigo 219 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

Art. 219. Danificar praça de desportos, sede ou dependência de entidade de prática desportiva. PENA: suspensão de 30 a 180 dias, podendo ser cumulada com multa de R$ 100 a R$ 100 mil, além de indenização pelos danos causados, a ser fixada pelo órgão judicante competente.

O processo entrou em pauta para julgamento na Quarta Comissão Disciplinar no dia 10 de setembro, porém foi adiado após deferimento do pedido do clube para a realização de prova pericial. Antes da realização da perícia, a Procuradoria apresentou proposta de Transação nos seguintes termos:

– O atleta Gatito Fernandez deverá cumprir suspensão de três partidas consecutivas no Campeonato Brasileiro Série A/2020, como infração ao artigo 258 do CBJD.

– A partir da homologação, o atleta fará um vídeo se retratando.

– Gatito Fernandez pagará à CBF a quantia de R$ 26,6 mil para ressarcimento dos prejuízos causados ao equipamento do VAR, de forma que o Botafogo concorda em responder de forma solidária para pagamento da referida quantia. O pagamento será realizado em duas parcelas com vencimentos em 18/11 e 18/12.

Após a oferta da Procuradoria a transação foi aceita pelo Botafogo. Vice-presidente administrativo do STJD, o auditor Felipe Bevilacqua foi sorteado relator do processo e homologou a transação nesta sexta.

Fonte: Site do STJD

Milagre contra Corinthians após grave lesão inspira Gatito no Botafogo: "É  o que buscamos" | botafogo | ge

– Surge a figura do Teleárbitro nas Eliminatórias: sobre o Gol anulado de Messi

Se existem protocolos, eles devem ser cumpridos. Se não são possíveis de serem interpretados, devem ser reestudados, rescritos e objetivos nos seus propósitos.

O VAR é para ser usado em lances capitais a fim de ajudar a evitar injustiças que surgem por erros da arbitragem, e elas são norteadas por várias coisas – como respeitar a decisão de campo caso não seja óbvia a imagem.

De maneira bem didática, publiquei uma circular bem interessante e que vale a leitura, no link em: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2019/11/05/o-que-a-ifab-pede-ao-var-e-o-que-o-brasil-faz-com-ele/.

No jogo em que Messi reclamou do “gol da virada” contra o Paraguai tendo Raphael Claus no comando da arbitragem, vimos uma distorção do VAR: uma falta comum e interpretativa que o árbitro julgou não ser e que deixou o jogo correr. Depois de algum tempo, surge o gol da Argentina, que é anulado pois o VAR chama Claus que revê o lance e muda sua decisão.

Acontece que, a falta não sendo na proximidade do gol, na imediatez do tento, interpretativa e nem clara / evidente, NÃO DEVE ter interferência do árbitro de vídeo. Isso existe para que não surja a figura de um “tele-árbitro”, onde cada jogada exija a sua presença.

Pense: se não tivesse saído o gol, a falta teria sido marcada? Lógico que não, o VAR não teria “caçado pelo em ovo”, ferindo o protocolo como fez.

Messi perde a paciência com árbitro brasileiro após gol anulado: 'Errou 2  vezes' - Banda B