Cadê as escalas dos árbitros das 4ªs de finais da Copa?

Agora: quase 5ª feira no Catar, e nada das escalas dos jogaços de 6ª…

Antigamente, se trocava árbitro mesmo depois de escalado (a AFA que o diga em 2014, sacando o sueco e colocando o italiano para apitar).

Será que o componente político pesará, ou a dupla Bussaca e Colina terá “carta branca”?

– Momento de Corte.

Das 8ªs-de-final para as 4ªs da Copa, provavelmente ocorrerá o corte de muitos árbitros.

Motivos: 

1- Excesso de oficiais para poucos jogos restantes,

2- Dispensa de quem não foi bem,

3- Liberação (provável) de árbitros de países que podem decidir o Mundial.

– Análise da Arbitragem de Brasil 4×1 Coreia do Sul. Como foi o juizão?

Uma arbitragem tranquilíssima do francês Clément Turpin no 974 Stadium. Em determinado momento, estando 4×0, pensei: “E o cara ainda está recebendo para apitar? Foi um privilegiado expectador de luxo”.

Brincadeiras à parte, o jogo não exigiu, e o juizão fez a parte dele. Posicionou-se bem, apitou atentamente, e aplicou corretamente o único amarelo do jogo a Jung (5 – COR).

Foram 21 faltas (8 cometidas pelo Brasil, 13 pela Coreia). Neymar sofreu apenas 2 faltas, e como previsto, os coreanos não foram violentos e não caçaram ninguém, pela educação esportiva que têm.

O VAR?

Ninguém quase lembrou dele. Ótimo.

Brasil x Coreia do Sul: onde assistir, horário do jogo e escalações | Copa do Mundo | ge

Imagem extraída de GE.com

– Viva a disputa por pênaltis!

Japão e Croácia fizeram a primeira decisão por tiros penais da Copa. Que legal!

A emoção, o improvável, os sentimentos aflorados… claro, e a técnica e o equilíbrio necessários (e que nem sempre aparecem) ali estão.

Viva quem inventou a decisão por pênaltis!

Ranking mostra clubes com mais pênaltis contra dos 701 marcados em Brasileirões desde 2013

Foto: infoesporte, extraído de G1.com

– Turpin e Neymar: o juizão protegerá o brasileiro no Brasil x Coreia do Sul hoje?

Já falamos das qualidade de Clément Turpin, arbitro escalado (e bem escolhido pela FIFA) para Brasil x Coreia do Sul. Vide em: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2022/12/03/analise-pre-jogo-da-arbitragem-para-brasil-x-coreia-do-sul/

Por conhecer boa parte dos atletas em campo hoje (apitou a final da UCL entre Real Madrid x Liverpool, “recheado de brasileiros” e recentemente Uruguai vs a própria Coreia), isso é uma grande vantagem. Em especial a Neymar (que ele conhece também do Campeonato Francês), saberá discernir as supostas faltas cavadas (que diminuíram bastante com o amadurecimento e experiência do atacante). Mas o ponto principal: coibirá o rodízio de faltas.

Se fosse contra argentinos ou uruguaios, na primeira oportunidade alguém tentaria atingir a lesão de Neymar. Contra sul-coreanos, uma escola que preza pelo Fair Play, isso felizmente não acontecerá.

Abordo com alguns outros detalhes no vídeo em: https://youtu.be/aZqcR5vyEfU

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Brasil x Coreia do Sul.

Para o confronto entre o Escrete Canarinho x os Tigres Asiáticos, arbitrará o seguinte octeto:

Árbitro: Clément Turpin (França)
Bandeira 1: Nicolas Danos (França)
Bandeira 2: Cyril Gringore (França)
4º árbitro: Slavko Vincic (Eslovênia)
VAR (árbitro de vídeo): Jérôme Brisard (França)
AVAR 1 (bandeira de vídeo): Alejandro Hernandez (Espanha)
AVAR 2 (bandeira para impedimento no vídeo): Roberto Diaz (Espanha)
AVAR 3 (assistente p/ suporte): Benoit Millot (França)

O francês apitou Senegal x Equador e Uruguai x Coreia do Sul, indo bem nos dois jogos. E por repetir a escala em um jogo da própria Coreia, é sinal que a FIFA gostou muito dele. Turpin trabalhou em 12 jogos na temporada 2022/2023 (3 jogos da UCL, 2 da Liga das Nações e 7 pelo Campeonato Francês, com apenas 1 expulsão por Cartão Vermelho Direto). Ele pertence ao quadro da FIFA desde seus 28 anos de idade (está com 40), e é o árbitro da última final da Champions League, entre Real Madrid x Liverpool. Para muitos, ele é um dos melhores do mundo na atualidade (pois além de jovem e ter boa condição física, tem ótimo discernimento técnico).

Um ponto positivo na escala: a equipe de VAR é composta por compatriotas franceses, o que ajudará o árbitro.

Por fim, um detalhe: Turpin apita com elegância! Dá gosto vê-lo em campo.

Foto: Issouf SANOGO / AFP

– O Wilton da FIFA é bem melhor que o Wilton da CBF.

É para escrever um artigo inteiro em outra oportunidade, mas a grosso modo: terminado o 3º jogo apitado por Wilton Pereira Sampaio na Copa do Mundo, não tenho dúvidas em afirmar: sem medo de veto, de futuras escalas ou implicações, o Wilton da FIFA é bem melhor do que o Wilton da CBF!

Claro, o comportamento dos jogadores e dos técnicos ajuda muito (alguém viu jogador correndo com o árbitro na cabine do VAR?). Mas que suas atuações estão acima do que faz aqui, ô se estão!

– O Futebol e as Regras: temos polêmica onde não deveríamos ter?

Lucidíssima coluna do Marcelo Damato na Folha de São Paulo, a respeito de regras e costumes interpretativos.

Compartilho abaixo:

– Por quê tantas lesões na Copa? Culpa dos árbitros, não é.

De diversos países, de todas as posições, e de todos os campeonatos: por quê há tantos jogadores se lesionando na Copa?

Estando no meio da temporada europeia, talvez não era para tanto… É algo relativo aos gramados catari? Ou com a preparação das Seleções? Por jogadas violentas, comprovadamente não é.

Não me recordo de um Mundial com tantos lesionados às vésperas da estreia ou durante o torneio…

Alex Telles se machucou durante jogo da seleção brasileira contra Camarões — Foto: AFP

Alex Telles se machucou durante jogo da seleção brasileira contra Camarões — Foto: AFP (de GE.com)

– Análise da Arbitragem de Camarões 1×0 Brasil.

Ótima arbitragem de Ismail Elfath. O árbitro dos EUA se posicionou muito bem em campo, correu bastante, e foi extremamente criterioso. Nenhum cartão em excesso ou com pouco rigor. Claro, por não ter lances polêmicos, a partida ajudou (embora foi um jogo extremamente faltoso: 28 faltas).

Números de Camarões x Brasil:

Em Cartões Amarelos-  5×2 (todos bem aplicados).

Em Cartões Vermelhos- 1×0 (correto, por 2º amarelo).

Em Faltas cometidas – 14×14 (o mais faltoso do jogo: Daniel Alves, 4 faltas).

Curiosidade – um único impedimento no jogo, sem necessidade de VAR (que ninguém lembrou da sua existência…)

Sobre o resultado, a derrota pode servir de algo positivo: tirar da cabeça dos atletas que “são imbatíveis”, “fazer descer do salto” e conscientizar-se de que é balela a história de que temos dois times competitivos.

Imagem extraída de Jovem Pan. com.