– Análise dos Gols de Brasil 4 x 2 Itália. Como foi a Arbitragem?

Num duelo entre potências como Brasil x Itália, você escalaria quem para apitar? O melhor árbitro da UEFA ou da Conmebol? Um inglês? Um argentino? Talvez. Mas a FIFA escalou Ravsham Irmatov, árbitro de 35 anos e há 10 no quadro internacional.

O detalhe curioso: Irmatov, apesar de ser de um país de pouca representatividade no futebol, o Uzbequistão (e que apitou diversos jogos com Luís Felipe Scolari, treinador da Seleção Brasileira que um dia se gabou de nunca ter sido expulso por lá), seu curriculum é invejável: trabalhou na Copa do Mundo de 2010 e em duas finais mundiais interclubes (incluindo Santos 0 x 4 Barcelona).

Porém, fora essas competições, quais jogos de expressão Irmatov apita durante a temporada?

Nenhum!

Assim, erros ocorreram na partida de hoje – sendo um deles ERRO DE DIREITO (que pode anular uma partida caso o clube que se sinta prejudicado reclame).

Vamos aos gols:

  1. Brasil 1 x 0 Itália: Dante 45’ (gol irregular, média dificuldade à arbitragem) – Neymar cruza a bola para Fred, que cabeceia para o gol. Buffon espalma e Dante pega o rebote, estando em condição de impedimento. O lance foi rápido, e Dante estava 23 cm a frente do penúltimo adversário quando Fred cabeceia (é esse o parâmetro para avaliar o impedimento: o último toque do próprio companheiro). Não importa se a bola veio de um rebote do goleiro, da trave ou resvalada por um zagueiro italiano; aquela situação é impedimento “por tirar vantagem de uma posição de outrora”. Mas veja a curiosidade: mesmo se Buffon tivesse dado o rebote e vários jogadores italianos tivessem se posicionado entre Dante e o goleiro, o lance deveria ser impugnado pois o que vale (a referência) é o toque de Fred. Entenda a cabeçada de Fred como “um passe a Dante, tabelando com o adversário”. E outra curiosidade: se o zagueiro da Itália tivesse se antecipado a Fred e cabeceado erroneamente para o próprio gol, após o rebote de Buffon, o jogador brasileiro Dante estaria em condição legal, já que a bola teoricamente veio da própria zaga. Portanto, erro do bandeira (do Quirguistão…).
  2. Brasil 1 x 1 Itália: Giaccherini 50’ (gol legal, sem dificuldade). Sem polêmica alguma, apenas a observação do belo lançamento de calcanhar de Balotelli ao seu companheiro, num contra-ataque.
  3. Brasil 2 x 1 Itália: Neymar 54’ (gol legal, de jogada duvidosa). Neymar disputa a bola com Maggio, que abre os braços e tenta buscar a bola. Tanto por baixo como por cima fica a dúvida: Maggio toca a bola legalmente ou desequilibra Neymar ilegalmente? O braço do italiano foi suficiente para obstruir o brasileiro? Talvez sim, talvez não. Mas a falta questionável foi marcada e Neymar marcou um belíssimo gol na cobrança.
  4. Brasil 3 x 1 Itália: Fred 65’ (gol legal, sem dificuldade). Fred disputa com Chiellini em velocidade; o adversário cai por disputa normal da bola e com um belo chute amplia.
  5. Brasil 3 x 2 Itália: Chiellini 69’ (gol irregular, pouca dificuldade à arbitragem). Um erro bisonho, de várzea e incomum. Balotelli sofre pênalti de Luís Gustavo. Irmatov estava muito bem posicionado, apita o pênalti e aponta a marca do tiro penal, mas alguns atletas não param ao som do apito e Chiellini toca para as redes. Não é gol, afinal, o jogo estava parado com o apito do árbitro. Para surpresa de todos, não é que o árbitro confirma o gol? Apesar das reclamações dos brasileiros, ele gesticula tentando justificar algo incompreensível: uma vantagem no pênalti! E fica o alerta: existe vantagem no pênalti, mas quase nenhum árbitro marca, já que na maior parte das vezes a vantagem é ter o tiro penal ao seu favor, ao invés da posse de bola. Sempre, claro, sem apitar a infração e abrindo os braços sinalizando a vantagem. Apitar o pênalti e depois desmarcá-lo porque a bola entrou não existe, já que os jogadores brasileiros podem alegar que desistiram da jogada ao ouvir o som do apito. Além disso, é erro de direito (o típico erro de não-cumprimento da regra, que rende anulação do jogo, caso a equipe prejudicada reclame).
  6. Brasil 4 x 2 Itália: Fred 87’ (gol regular, média dificuldade). Bernard toca para Marcelo, que chuta para o gol. Buffon defende e Fred (na mesma linha do penúltimo adversário) fica com o rebote, marcando seu segundo gol. Apesar da rapidez da jogada e do posicionamento difícil, acertou a arbitragem.

Irmatov correu muito na partida, mas tecnicamente não estava a altura de tal confronto. Errou quem o escalou.

Um detalhe importante: quantas faltas “técnicas” o Brasil faz! Típicas faltinhas “feliponescas”, para matar o jogo no meio campo. Neymar, por exemplo, que não sabe marcar (como a maioria dos atacantes, que além de não saberem, não gostam dessa função) tomou amarelo por isso.

E você, o que achou do jogo? Deixe seu comentário:

url.jpg

Anúncios

Um comentário sobre “– Análise dos Gols de Brasil 4 x 2 Itália. Como foi a Arbitragem?

  1. Excelente! O segundo gol da Itália foi uma afronta, na hora durante o jogo eu ouvi o apito de repente o juiz validou o gol! Achei muito errado, pois a final, num pênalti existem 3 possibilidades claras: o goleiro defender, o jogador errar a cobrança e também claro, o jogador marcar o gol. Mas tudo bem, o Brasil venceu (ainda que com um gol tb irregular).

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s