– Os 2 pênaltis de Real Madrid x Real Sociedad

Acompanhei o primeiro tempo de Real Madrid 1×0 Real Sociedad (placar parcial). E nos primeiros 45 minutos, dois pênaltis polêmicos.

No primeiro, Benzema entra na área, sente o seu marcador próximo e se joga. Não foi pênalti, mas o árbitro vê a queda e marca a penalidade. Errou.

No segundo, após o cruzamento de Bale, a bola bate na perna e na sequência no braço de Berchiche que dava um carrinho para interceptar a jogada. Pênalti corretamente marcado por movimento antinatural dos braços ou não?

Não podemos dizer que o atleta “correu o risco” da bola bater em seu braço, já que “correr risco” é ser imprudente, e uma das condições para se marcar uma infração por uso das mãos na bola é que obrigatoriamente deve ser um lance deliberado, nunca imprudente (muitos são levados a usar o termo incorretamente pelo mau uso da expressão por parte da Comissão de Árbitros da CBF – esqueça o “correu risco” e o substitua por “usar as mãos de maneira a buscar tocar a bola disfarçadamente“).

Enfim: houve o movimento antinatural dos braços do defensor? Por dar um carrinho com as mãos abertas, de maneira estabanada, você pode entender que no seu íntimo ele queria tocar a bola com as mãos, já que ampliou seu espaço com tal movimento dos braços. Mas considere: pelo fato da bola bater na perna do zagueiro e desviá-la, havia tempo para ele desviar o braço a fim de evitar o toque?

Se por um lado os braços excessivamente abertos trazem a dúvida da subjetividadepor outro o desvio da perna tira essa condição. A bola bateu rápida, sem tempo do desvio/ reflexo do jogador.

Eu não daria nenhum dos dois pênaltis, mas respeito quem interprete diferente o segundo lance. E você?

Em tempo: se Berchiche usou as mãos deliberadamente para interceptar o cruzamento, deveria ter recebido o cartão amarelo. E como já houvera recebido um cartão, deveria ser expulso.

Em tempo 2: a arbitragem espanhola sempre foi muito ruim. A chegada de estrelas que enriqueceram a Liga Espanhola não foi proporcional à pequena melhora dos árbitros. Mas quem somos nós, brasileiros, para falarmos isso hoje?

Convido aos amigos para assistirem aos vídeos FIFA 1, 4 e 7 que estão nesse link, e que ilustram melhor, em: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2015/10/16/penaltis-de-movimento-antinatural-entenda-a-diferenca-do-que-a-fifa-quer-e-o-que-a-cbf-inventou/

 

bomba.jpg

– As escalas para a Copa São Paulo de Futebol Junior: São Paulo x Paulista e outras considerações!

Já foram divulgadas as duas primeiras escalas para a Copa SP 2016. Para São Paulo x Paulista, apitará o jovem Lucas Mola, com experiência quase nula no torneio, e que na mesma Arena Barueri já foi 4o árbitro na Copinha no jogo São Paulo 5 x 1 Nacional.

Ok, a Copinha é para revelar árbitros e dar as primeiras oportunidades importantes. Gosto desse entendimento. Mas para Audax x Paulista, foi escalado (não é sorteio) Wander Escardine, muito mais experiente, que deveria estar na pré-temporada da A2, não sendo escalado para esse tipo de torneio, tirando oportunidade de novatos.

Para Paulista x Tiradentes, a FPF ainda não divulgou a escala. Estaria esperando o andamento das chaves para colocar árbitro mais experiente ou não? Provavelmente.

Me pesa ver nomes como Luiz Vanderlei Martinuccio, Douglas Flores ou Thiago Scarascati que estão na A1 e não precisariam tirar lugar de quem queira aparecer. Ou de José Roberto Marques, Maurício Fioreti, Douglas Marcucci, Alysson Matias e outros tantos veteranos sendo escalados. ELES TÊM MAIS TEMPO DE ARBITRAGEM NA CARREIRA DO QUE A IDADE DOS JOGADORES. Para quê o Cel Marinho fazer isso?

É para testar quem não precisa ser testado? Para provar a humildade de quem já está calejado desse tipo de situação? Ou apenas incompetência administrativa?

Insisto: a Copa SP de Futebol Júnior é para dar chances a novatos e o melhor deles fazer a final. Não deve ser torneio para dar ritmo de jogo à A1, tampouco para colocar em atividade árbitro de A2, A3 e série B.

A única competição que revelava árbitros, agora, sendo mal aproveitada… Como revelar se não se dá chance real?

bomba.jpg

– Daronco, o melhor árbitro do Brasil segundo os jogadores! O pior é…

O Datafolha fez um levantamento junto aos jogadores dos principais clubes de futebol brasileiros sobre quem é o melhor árbitro hoje. E os resultados dos 3 primeiros colocados foram:

1- Anderson Daronco: 25,9%,

2- Heber Roberto Lopes: 22,2%,

3- Luiz Flávio de Oliveira: 17,5%.

Percebam que o árbitro brasileiro da última Copa do Mundo, Sandro Meira Ricci, que há tempos amargura uma fase ruim, não foi citado.

Já quanto o pior árbitro da atualidade, algumas curiosidades sobre os 3 piores colocados:

1- Ricardo Marques Ribeiro: 16,6%,

2- Heber Roberto Lopes: 10,1%,

3- Leandro Pedro Vuaden: 8,3%.

Repare que se para alguns Heber é o 2o melhor, para outros é o 2o pior. E que nosso árbitro que está sendo preparado para a Copa da Rússia 2018, Ricardo Marques Ribeiro, amarga a liderança negativa na opinião dos boleiros.

E a você: quem são os melhores e piores árbitros da atualidade?

bomba.jpg

– Felipe Mello versus Biglia: só o Cartão Vermelho é suficiente?

O brasileiro Felipe Mello não consegue apagar sua fama de violento. Ontem, no duelo entre Internazionale 1×2 Lazio, ele quase arrancou a cabeça do seu adversário Biglia num golpe de Kung-Fú.

Assista o lance e diga: somente o cartão Vermelho é suficiente para puni-lo?

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para River Plate x Barcelona

Como avaliar um árbitro que nunca fez jogo importante algum?

Apitará a final da Copa do Mundo de Clubes FIFA 2015 entre River Plater x Barcelona, o iraniano Alireza Faghani, auxiliado pelos bandeiras Reza Sokhandan y Mohammadreza Mansouri.

O River Plate queria Wilmar Roldan, o árbitro que é conhecido pelo apelido de “Castrilli da Colômbia”. Não conseguiu.

Parece que a morte de Grondona, o eterno cartola argentino, enfraqueceu os bastidores da AFA. Recordam-se de tempos de força da Associação Argentina sobre as outras entidades?

Na Copa do Mundo de Seleções 2014 no Brasil, a FIFA houvera divulgado o árbitro sueco Erickson como nome para a final entre Argentina x Alemanha. Os hermanos reclamaram muito e o escalado mudou! Na oportunidade, o italiano Nicola Rizzoli foi para a finalíssima.

Já no próprio Mundial de Clubes 2014, no Marrocos, a FIFA houvera indicado o árbitro português Pedro Proença para San Lorenzo x Real Madrid. Após reclamações públicas do presidente do time argentino contra arbitragem europeia, mudou-se a escala para o árbitro guatemalteco Walter Lopes.

Contrariando as últimas escalas em Copas de Mundo de Clubes, onde sempre o mais conceituado juiz era o escolhido para a final (desde que não fosse da mesma nacionalidade que o time da decisão), a FIFA mostra um total desrespeito à competência e meritocracia.

Pura política! Colocar um árbitro do Irã é demais.

Claro, lembremo-nos que nessas duas oportunidades em que a força e o lobby dos argentinos prevaleceram, ainda assim não conseguiram a vitória dentro de campo.

bomba.jpg

– A “Quase-FARSA” dos números da CBF sobre a arbitragem!

O acompanho desde a ESPN, passando pelos jornais que escreveu/ escreve e agora na FOX: Paulo Vinícius Coelho é um dos jornalistas que melhor analisa esquema tático de futebol no Brasil.

Justamente por ter simpatia pelo PVC (que não conheço pessoalmente), acho justo escrever essa postagem explicativa para que ele não seja enganado pelos números forçados e ilusórios de Sérgio Correa da Silva, da Comissão de Árbitros da CBF.

Pois bem: em seu blog no UOL, foram divulgados alguns números interessantes de melhora dos índices dos árbitros brasileiros. Vamos a alguns (extraídos de http://pvc.blogosfera.uol.com.br/2015/12/15/para-a-cbf-arbitragem-do-brasileirao-melhorou-em-2015/?cmpid=tw-uolesp).

“Caro PVC,

Saiba que a CA-CBF gosta de trabalhar com números “frios”, determinando a qualidade dos árbitros por eles. Sem uma análise contextual, podemos até crer que eles melhoraram. Mas vamos lá:

– Os observadores que avaliam os árbitros têm grande dificuldade em dar notas conforme a real atuação. Se for “amigo do chefe”, as notas são melhores. E a própria escala dos observadores é duvidosa: quem os forma? Quem os orienta? São pessoas livres e desapegadas de outros cargos da CBF?

– Independente dos erros, há os árbitros sempre escalados. Não se esqueça das “geladeiras de mentirinha” ao longo do Brasileirão. Ricardo Marques Ribeiro errou e continuou nos sorteios.

– Redução de média de faltas: a causa é óbvia – faltas reais não foram marcadas, e isso foi motivo de discussão de muitos colegas de arbitragem, em especial as infrações que, a título de permitir maior quantidade de tempo de bola (outro índice observado como melhor), eram desprezadas.

O grande problema, amigo PVC, é que o chefe dos árbitros é um estatístico compulsivo. Desde os tempos que Sérgio Correa da Silva era presidente do Sindicato dos Árbitros e trabalhava concomitantemente na Comissão de Árbitros da FPF, perdia horas tabulando números. Assim, não acredite (como sei que não acreditou) nesses números gelados. Creia no que seus olhos viram no Brasileirão: orientação errada da normativa de 2013 (sim, elas são de 2013 – veja todas as alterações neste link: http://wp.me/p55Mu0-bW) de mão na bola e bola na mão que em 2014 se tornou polêmica e chegou até os dias de hoje com a burra insistência de que o mundo está errado e nós corretos (sobre o movimento antinatural da bola); relatórios mal feitos de árbitros; excesso de polêmicas criadas e, o mais grave: a salvaguarda de Marco Polo Del Nero a Sérgio Correa. E isso, nem os números dele conseguiram explicar: como, depois de tantos clubes e tanta gente criticar a má gestão do Sérgio, ele permanece firme e forte em seu cargo de confiança? O que Marco Polo viu de tão especial e valoroso no seu subordinado?

Claro, sei que você não precisava da minha carta pois já sabia/ ou imaginava tudo o que escrevi nela. Mas valeu para puxar assunto e escrever sobre esse tema tão apaixonante.

Abração,

Rafael Porcari”

Resumindo: a falácia de que a arbitragem do Brasileirão melhorou é uma fábula que alguns acreditarão; para outros, mais uma das fanfarronices de gente que há décadas vive dependurada em cargos como esses e que impede a oxigenação do departamento, colocando suas vaidades pessoais acima do real interesse do futebol. 

bomba.jpg

– Qual a novidade da FPF para os árbitros em 2016?

Leio que a FPF tem ouvido treinadores e jogadores para melhorar a relação de todos no mundo do futebol e transformar positivamente o Paulistão em 2016.

Ótimo. Parece que o presidente Reinaldo Carneiro Bastos está tentando dar sobrevida ao Regional de maneira correta. Mas… alguma novidade para os árbitros?

NENHUMA.

É vida que segue. Claro, como mudar se os árbitros não têm representatividade alguma? 

bomba.jpg

– Coronel Lula Marinho e o Secretário Arthur Dirceu

O futebol é um microuniverso da sociedade. De fato, o ambiente do Esporte se assemelha demais com alguns outros setores, como, especialmente, o da Política.

Leio que, pela 3a semana seguida, um 3o escândalo envolvendo o agora demitido membro da Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF), Arthur Alves Júnior (e Presidente do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo – SAFESP, tesoureiro da Cooperativa dos Árbitros (COAFESP) e vice-presidente regional da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (ANAF). Tudo divulgado pelo Blog de Marcelo Marçal (ex-funcionário da COAFESP e SAFESP) através do site de seu domínio, ApitoNacional.com.br.

Desta vez, o bandeira Márcio Jacob, um dos fiscais do Sindicato, admite ter aprovado todas as contas de 6 meses da entidade sem nunca ter visto uma Nota Fiscal de gasto sequer, tendo assinado os documentos NA SALA DO CORONEL MARINHO, na presença de Arthur e do Cel, de maneira constrangida e com medo de represálias.

Ao ouvir o áudio, há o imediato susto do espontâneo e sincero relato de Jacob, que declara ter assinado “pois era muito ajudado em escalas pelo Arthurzinho” e por estar dentro da FPF, de frente ao Coronel Marinho.

Certa vez, ouvimos o presidente Luís Inácio Lula da Silva se esquivar de José Dirceu dizendo que nada sabia sobre os atos de corrupção (sendo Dirceu seu Secretario da Casa Civil, trabalhando numa sala ao lado e se reportando a ele). Desta forma, Lula continuou no poder e Dirceu foi alijado do Planalto, trabalhando na surdina por outros interesses.

A diferença é que Arthur não trabalhava num departamento ao lado do Coronel Marinho, mas dentro da própria sala dele! O Coronel prossegue no cargo. Já Arthur, que foi demitido da FPF após denúncias de assédio moral e sexual, depois denunciado por “supostamente ‘pagar’ um relacionamento extra-conjugal” com dinheiro dos cofres do Sindicato e agora sendo acusado por membro do Conselho Fiscal do Safesp, continua forte em outros cargos.

Gravação e texto em: http://marcalneles.blogspot.com.br/2015/12/presidente-do-safespe-acusado-de-forjar.html

bomba.jpg

– Nenhum brasileiro no Mundial de Clubes da FIFA e o balanço final!

Preteridos em competições mundiais; ainda selecionados em algumas  continentais locais: assim está o panorama da arbitragem brasileira que passou por um processo violento de agonia em 2015.

No Mundial de Clubes da FIFA, nenhum árbitro ou bandeira  do Brasil foi selecionado pelo Mássimo Bussaca, o chefão mundial da arbitragem (é o segundo ano consecutivo que isso acontece). Irá representar a América do Sul Wilmár Rondán, da Colômbia.

Pudera, tão respeitada que nossa arbitragem foi, sofreu um processo regressivo de qualidade nos últimos anos, através do “emburrecimento da Regra” por parte da Comissão de Árbitros de Sérgio Correa da Silva, que procura criar estatística forçadas a seu favor do que capacitar de fato os árbitros.

Triste. E os clubes, acostumados aos erros, à Regra 12B (de qualquer bola na mão virar pênalti) e às péssimas atuações, apenas criticam Sérgio Correa que nunca cai do seu cargo – que é de confiança para o presidente licenciado Marco Polo Del Nero.

Enfim, que 2016 seja melhor para a arbitragem, pois 2015 foi horroroso

bomba.jpg

– Análise da Arbitragem de São Paulo 1×0 Liverpool

Calma, você não voltou ao tempo. É que nesta sexta-feira teremos o jogo de despedida de Rogério Ceni, um dos últimos jogadores a labutar por décadas em uma mesma equipe.

Sabe qual a curiosidade inusitada? O árbitro será o mexicano Benito Arcundia, o mesmo da Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2005 e que arbitrou São Paulo 1×0 Liverpool.

Detalhe: o árbitro não foi bem naquela partida. Ele não deu um pênalti claro no lateral esquerdo Júnior, prejudicando os brasileiros; na sequência da jogada, armou-se um contra-ataque e Lugano quase quebrou as pernas de Gerard com um carrinho violento e certeiro, não sendo expulso e prejudicando os ingleses. Na época, Rafa Benítez, que era técnico do Liverpool (e que posteriormente perdeu outro Mundial Interclubes, para o Corinthians quando trabalhava no Chelsea) o criticou demais, creditando (injustamente) a derrota ao árbitro mexicano.

O interessante é que Benito Arcundia nem iria participar daquele mundial! Ele entrou na última hora como representante da Concacaf pois o guatemalteco que havia sido indicado lesionou o joelho.

Quem deveria ser convidado, o “bom do jogo” foi o bandeira Arturo Velazquez, que anulou corretamente 3 gols do Liverpool: 1 impedimento fácil, outro dificílimo e o outro por falta de Morientes quando ele tentava fazer a defesa.

bomba.jpg