– Erros e Acertos da Arbitragem na Rodada 23 e outras impressões do Brasileirão

Vários jogos continuam problemáticos no Campeonato Brasileiro. Os árbitros continuam errando lances bizarros, apesar de uma luz na rodada: a arbitragem (quase) perfeita no Derby do Allianz Parque.

Vamos aos lances?

SPORT 1 X1 SANTOS

Em Recife, o Santos fez um gol irregular e validado: Gustavo Henrique cabeceia para o gol, o goleiro dá o rebote e Ricardo Oliveira, impedido, coloca para dentro das redes. O bandeira Celso Luís da Silva estava mal posicionado, fora da linha do penúltimo defensor, e não observou a irregularidade. Alguns amigos me questionaram sobre a orientação de que “agora rebote tira o impedimento”. Esqueça! A orientação de 2013 é que no lance em que a bola desviada ou reboteada que sobre para um jogador em posição de impedimento FORA DO LANCE DA JOGADA E QUE CHEGUE A ELE DE MANEIRA INESPERADA, agora deve permitir a sequência da jogada. Assim, para que fosse válido o gol santista, hipoteticamente Ricardo Oliveira deveria estar próximo da linha lateral, sem esperar o rebote do goleiro, nunca na iminência do gol.

Um detalhe: perceberam que depois que Modesto Roma foi reclamar ao presidente Marco Polo e fez campanha para o Cel Marinho assumir a Comissão de Árbitros da CBF (reclamações justas, vide os erros cometidos contra o Peixe que culminaram na expulsão ridícula de um jogador no Santos x Grêmio), os erros viraram de contrários a favoráveis? Pênalti de fantasminha na penúltima semana; pênalti inexistente no meio de semana e no domingo gol em impedimento. Calma: não é acusação a ninguém, mas constatação de erros acontecidos coincidentemente.

CRUZEIRO 5×1 FIGUEIRENSE

Pisada de bola do árbitro baiano Jailson Macedo de Freitas. O jogador cruzeirense William domina na mão e faz o gol. Claro, com esse placar não dá muito para reclamar. Mas aceitar passivamente erros não se pode, independente do resultado do jogo.

FLUMINENSE 1×3 FLAMENGO

Com 13 cartões amarelos e 1 vermelho, Ricardo Marques Ribeiro bobeou no 1o gol flamenguista. Se antes toda bola na mão virava mão na bola e falta, após culminar com o absurdo do time do Cruzeiro de Luxemburgo chutar propositalmente na mão de adversários em alguns jogos, agora nem mão deliberada não é mais marcada! Wallace toca nitidamente a mão intencionalmente na bola, que sobra para Sheik marcar. Gol irregular! O Fluminense (de novo) tem motivos para reclamar de erros da arbitragem.

PALMEIRAS 3×3 CORINTHIANS

Para mim, o melhor jogo do Campeonato Brasileiro até agora, acompanhado da melhor arbitragem também. Aliás, depois de assistir o modorrento Brasil 1×0 Costa Rica, contrasta ver o futebol ofensivo dos times paulistas com o lenga-lenga do escrete nacional.

Raphael Claus foi muito bem em uma partida de alto grau de dificuldade desde o pré-jogo. Fisicamente impecável, correu 90 minutos por todo o tempo. Tecnicamente muito bem, em especial a uma vantagem não consolidada em que marcou a falta atrasada ao Corinthians no final do jogo, com coragem e correção. Disciplinarmente bem (falaremos das pequenas falhas abaixo) e na questão de postura: ótimo! Apitou de cabeça erguida, soube se impôr e mostrou autoridade (beirando o quase-autoritarismo, mas ainda assim na medida certa).

Depois de tantos merecidos elogios, 3 observações necessárias:

1) Arouca: faltou dar o cartão amarelo no começo do jogo ao palmeirense, já que usou um critério rigoroso para segurar a partida no início (cuja estratégia de arbitragem se mostrou acertada), mas exagerou em alguns momentos posteriores. Arouca, em que pese, se no mesmo critério, deveria ter sido amarelado. Tite reclamou desse cartão com razão.

2) Gabriel Jesus: recebeu um cartão amarelo injusto. Ele divide o lance claramente na bola, sem falta. Talvez o árbitro deva ter se equivocado pela plasticidade da jogada, que pareceu violenta mas foi apenas viril. Errou ao dar infração e mais ainda no cartão.

3) Cássio: respeito a opinião do amigo e bom comentarista de arbitragem da Rede Globo, Paulo César de Oliveira, que tem uma posição diferente à minha nesse lance: Gabriel Jesus entra em velocidade na área, Cássio vai com os pés na perna do atacante palmeirense e o atinge. Independe se ele pegou as bolas com a mão, pois para poder fazer a defesa, cometeu a infração. É a mesma situação quando um zagueiro tenta roubar uma bola e atinge simultaneamente a própria bola e na outra perna o pé do adversário. E aqui, erro duplo: o árbitro entendeu como jogada normal e ainda assim Marcelo Van Gassen, bandeira 1, assinalou impedimento. Era lance válido (não havia impedimento), pênalti e cartão amarelo (ou vermelho, se entender que era situação clara de gol). Insisto: não foi marcada a infração pois o jogo já estava parado pelo impedimento.

Vendo a tabela do Brasileirão, me chama a atenção um detalhe da classificação: em diferença de pontos na tabela, o último do G4 está na mesma situação que o último do Z4 – matematicamente, ambos tem a mesma dificuldade em alcançar o primeiro do G4 e do Z4. Em tese: para o São Paulo ser campeão há a mesma chance do Vasco escapar do rebaixamento. Mas como o futebol não é matemático…

bomba.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s