– Entendendo o que a FIFA liberou para uso de Tecnologia no Futebol

Momento importante para os amantes do futebol. A tendência de mudar a Regra do Jogo foi aceita pela IFAB (International Board, a “guardiã” das regras). Muito desse momento teve a influência da FIFA, a entidade que organiza os campeonatos de futebol e que se reorganiza com Gianni Infantino, o novo presidente.

A verdade é: Infantino, secretário do francês Michel Platini na UEFA, era radicalmente contra o uso de vídeos para o futebol (assim como o próprio Platini). Agora eleito presidente da FIFA, Infantino fez lobby por essa mudança.

Fiquemos atentos a uma coisa importante: as 17 Regras do Futebol não mudaram na manhã histórica de ontem, em Cardiff, quando se aceitou a introdução dos VARs (Vídeo Árbitros Assistentes). O que aconteceu é que os TESTES oficiais com aval da IFAB, a serem fiscalizados pela FIFA, foram autorizados.

E como funcionará?

A experiência tem 4 propósitos:

1- Confirmar ou anular um gol discutível (por exemplo: se o atleta usou a mão na bola para fazer um gol e o árbitro possa ter sido enganado e acreditado que foi de cabeça);

2- Confirmar ou anular uma penalidade máxima (por exemplo: o árbitro crê que um atleta tenha sido tocado e na verdade ocorreu uma simulação de infração);

3- Aplicar ou não um cartão vermelho de maneira justa ou injusta (por exemplo: se um árbitro expulsa um atleta por um carrinho violento e na verdade o jogador tenha ido única e exclusivamente na bola);

4- Identificar atletas de maneira correta quando for aplicar uma punição com cartão (por exemplo: um atleta agarra um adversário e deve receber o cartão amarelo, mas o juiz se confunde e não memoriza quem foi o infrator para dar a advertência).

Apenas nestas 4 situações deverá ocorrer o auxílio do VAR, sendo que esse árbitro de vídeo poderá interpelar o árbitro principal ou o árbitro principal procurar o árbitro de vídeo. O árbitro pode aceitar de bate-pronto a informação do vídeo-árbitro via rádio, ou se preferir, ir até o VAR assistir o lance. Porém, a decisão final sempre será do árbitro principal, aceitando ou não a decisão do vídeo-árbitro.

Em 2018, os cartolas do futebol avaliarão se a experiência foi boa ou ruim; se ela terá continuidade ou não; se poderá acrescentar outros momentos da participação dos VARs (como em impedimentos ou outras situações); ou se haverá a desistência dos trabalhos.

O importante: o uso dos árbitros de vídeos deverá ocorrer em todos os jogos de um mesmo campeonato, ou em fase final de um torneio eliminatório, como, por exemplo, em uma decisão de UEFA Champions League.

Um primeiro passo para a introdução dos recursos tecnológicos no futebol foi dado. Como será essa caminhada, não sabemos.

Duas tendências: a idéia de que um treinador ou capitão de equipe possa pedir a revisão de uma decisão do árbitro com o uso de imagens deverá ser descartada mesmo em outros testes futuros; e a busca para que o árbitro tenha um equipamento eletrônico com tela à mão para ver o lance de maneira full-time persistirá.

O que você achou de tal mudança? Deixe seu comentário:

bomba.jpg

Anúncios

2 comentários sobre “– Entendendo o que a FIFA liberou para uso de Tecnologia no Futebol

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s