– Análise da Arbitragem de Ponte Preta 2×2 Internacional

Nunca vi Leonardo Cavaleiro apitar. Somente o conheço por queixas de clubes contra algumas de suas arbitragens no Campeonato Carioca (mas por aí não vale julgar). Hoje, vendo a lambança no Moisés Lucarelli, assustei! Como foi escalado na série A?

LANCE 1 – No 1o tempo, a Ponte Preta chuta uma bola ao gol e o zagueiro do Internacional se vira de costas para disputar a bola. Mas ele “dá um migué” e ergue os braços para interceptá-la. É a intenção disfarçada, o verdadeiro movimento antinatural dos braços (isso é pênalti, não os de queimada que se vê por aí sendo chamados erroneamente de movimento antinatural). Errou o árbitro. 

LANCE 2 – A bola é chutada de longe e bate dentro do gol colorado – em cima e embaixo. Lance chato, difícil. Vai pra conta da CBF em não querer ficar com os equipamentos de chip na bola deixados pela FIFA depois da Copa do Mundo. Segundo erro grave do árbitro. 

LANCE 3 – Rhaynner entra na área e é interceptado por Paulão. Pênalti para a Ponte Preta, ignorado pelo árbitro que inexplicavelmente não marcou. Pelo seu posicionamento, daria para marcar. Terceiro erro do juizão carioca. 

Três erros dessa magnitude no estádio da Ponte, contra a Macaca, cá entre nós: há de ser corajoso, não?

Enfim: veremos o tal de DVD da Ponte Preta na CBF reclamando da arbitragem (e de maneira justa). mas seria bacana, embora utópico, crer que o Internacional fizesse o mesmo alegando que “reclamamos da arbitragem não só em causa própria, já que fomos beneficiados, mas pelo bem do futebol.

– Qual a cor correta do cartão ao Cássio no empate de Corinthians 1×1 Figueirense

Com as novas mudanças das Regras de Jogo, muita gente está fazendo confusão. Rodadas atrás, na partida Vitória x Internacional, um atleta colorado iniciou o jogo tocando a bola para trás (já que a partir de agora isso é possível). Só que como não estava bem informado, pensou que poderia sair jogando: ou seja, deu o toque para trás e ele mesmo seguiu com a posse de bola. O árbitro FIFA Sandro Meira Ricci viu a irregularidade e, ao invés marcar o tiro livre indireto a favor do adversário, se equivocou e mandou reiniciar a partida. Erro de Direito…

Um erro de jogador e árbitro também aconteceu na Arena Corinthians nesse sábado. O goleiro Cássio impediu uma situação clara e manifesta de gol praticando uma infração contra o corpo do adversário. Após o jogo, ele declarou que sabia que tomaria cartão amarelo por que estudou “a Regra Nova”. O árbitro baiano Marielson Silva errou ao dar tal advertência, pois o Cartão Amarelo deve ser aplicado quando a infração acontece EM DISPUTA DE BOLA. Isso significa que se um jogador cometer uma infração impedindo uma situação clara de gol quando estiver tentando roubar a bola e atingir o adversário, é cartão amarelo. Se ele agarrar a camisa, fazer uso das mãos ou qualquer outra coisa que não seja em disputa de bola, continua sendo cartão vermelho (isso vale para disputas de bola com jogo brusco grave).

Assim, o treinador do Figueirense Argel (acreditem) desta vez tem razão na sua queixa contra a arbitragem.

image