– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Paulista x Red Bull (Rodada 01 da Copa São Paulo)

Muita coisa poderá mudar nas escalas de árbitros e nos rumos do apito na Copa São Paulo de Futebol Jr, já que José Henrique de Carvalho, o presidente da Comissão de Arbitragem da FPF, foi demitido do cargo horas antes do fechamento da FPF para os festejos de final de ano. O diretor da entidade, Dionísio Roberto Domingos, assumiu as funções dele (que muitos dizem, já era “bola cantada” tal fato).

A questão é: José Henrique já houvera deixado prontas as escalas das duas rodadas iniciais da Copa São Paulo, onde foram escalados árbitros com pouca experiência, evidenciando o trabalho de formação de juízes e renovação do quadro da FPF. A partir da rodada 3, teremos alguma mudança na filosofia de trabalho a ser implantada por Dionisio? Penso que sim.

Feito esse comentário inicial, vamos à ficha do confronto entre Galo x Toro Loko:

Árbitro: André Luiz Ribeiro Cozzi – 5 anos de carreira na arbitragem, trabalhou nas categorias Sub 20 e Sub 23 profissional. Será apenas o seu 2º ano de Copa SP. Vem de Praia Grande e é Professor de Educação Física (37 anos de idade).

Árbitro Assistente 1: Gilmar Alves da Silva – também com só 5 anos de carreira na arbitragem, é empresário, trabalhou em 2017 nos campeonatos profissionais da FPF, mas em 2018 caiu para divisões amadoras.

Árbitro Assistente 2: Felipe Camargo Moraes – 25 anos de idade, igualmente 5 anos de carreira apenas, não apitou jogos profissionais em 2018.

Quarto Árbitro: Cledson Gahio.

Desejo uma boa arbitragem e um grande jogo a todos!

Acompanhe a transmissão de Paulista x Red Bull pela Rádio Difusora Jundiaiense AM 810, com o comando de Adilson Freddo. Narração de Vagner Alves; comentários de Heitor Freddo e Robinson “Berró” Machado; análise da arbitragem com Rafael Porcari; reportagens de Luiz Antonio “Cobrinha” de Oliveira. Na técnica externa Antonio Carlos Caparroz. Quarta-Feira às 17h15 – mas a jornada esportiva começa a partir das 16h15 para você ter a melhor informação com o Time Forte do Esporte!

 

bomba.jpg

– Sobre a Copa São Paulo em 2019. Qual o propósito do torneio DE VERDADE?

Estamos a poucos dias do início do calendário esportivo de 2019 com a tradicional competição do início de janeiro: a Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Antes, a nobre “Copinha”, como carinhosamente é chamada, agregava os grandes clubes da cidade para celebrar o aniversário da Capital Paulista. Posteriormente, somou-se a eles clubes do Interior do Estado e outros grandes do país, como cariocas, mineiros e gaúchos.

Dizia-se que a Copa SP sempre revelava talentos, como Zico e Falcão. Mas se ela não existisse, tais craques não apareceriam? A mesma Copinha já “revelou” João Fumaça, Sérgio Mota, Chumbinho…

O problema é: a Copinha não revela mais ninguém! Kaká e Neymar foram reservas no torneio, quando chamados a participar da competição. Aí valem os questionamentos:

– Os treinadores dessas equipes são realmente talhados para tal?

– Jogador-talento no juvenil vira craque no profissional?

– Quem disse que garoto coadjuvante não vira profissional protagonista?

Participei por 9 anos apitando jogos da Copa SP. Antes, ela servia para revelar árbitros e dar oportunidade aos iniciantes. Meu primeiro jogo no torneio foi em 1998 – Santos do Amapá x Desportiva do Espírito Santo no estádio que precedeu a Arena Barueri.

Hoje, a Copa São Paulo serve para colocar em atividade árbitros que foram “esquecidos” durante o ano e para treinar o pessoal da série A1. Revelar talentos também parece ter sido deixado de lado pela Comissão de Arbitragem. No meu tempo, quem apitava a final da Copinha era árbitro da A2 ou A3 e que seria nome certo para ter oportunidade na A1. Boa época da arbitragem paulista…

Enfim: Farah começou o processo de inchaço da competição, diminuindo o nível técnico com fases irrelevantes e times montados para vender atletas. Só que ele era inovador: trouxe o Milan-ITA, o Kashima-JAP… Já Marco Polo Del Nero escancarou de vez: aumentou ainda mais o número de clubes de empresários e inexpressivas equipes. Reinaldo Carneiro não está fugindo disso: veja quantas e de onde são as equipes do torneio (FF Sports – AL, Babaçu – MA, CSP – PB, Trem – AP, Ricanato – TO, Visão Celeste – RN, entre outras)! Não era melhor ter uma seletiva antes da entrada dos grandes na competição? Nada impede um grande qualify envolvendo clubes da Roraima, Acre, Rondônia…

Para mim, a Copinha infelizmente se tornou um catado que não revela mais ninguém. E para você? Seria tão legal que ela fosse composta de poucos, bons e tradicionais clubes… O nível técnico aumentaria e se tornaria mais atrativa.

Aliás, 3 últimas observações quanto ao naipe dos clubes:

– Já apitei clube que era bancando por magnata estrangeiro. Um garoto coreano, aficionado por futebol brasileiro, convenceu o pai (um rico industrial), “alugou a vaga” em um time do interior, bancou as despesas na Copa SP só para ter o prazer de jogar. E jogou!

– Muitos clubes “vendiam” intercâmbio para japoneses. Os jovens pagavam caro por uma vaga (e esse valor era significativo para os times), vinham para a competição, jogavam 10 ou 15 minutos em jogos que nada valiam na ultima rodada e o golpe, ou melhor, o acerto estava cumprido. Mas aprendizado mesmo… Fica só na experiência para o nipônico.

– Algumas equipes tem psicólogo, coach, professor de mandarim e… não tem professor de regras de futebol. Pode? Saber das regras do ofício que estão investindo na carreira se faz extremamente necessário!

Imagem relacionada

– Deverá ser muito bom apitar por aqui, hein?

Um estádio para 80 mil pessoas que está sendo construído JUNTO COM UMA CIDADE! É mole?

Eu sempre tive o pé atrás com a Copa do Catar 2022, cercada de corrupção, mas há coisas que não dá para deixar de ficar boquiaberto e para isso o príncipe local não vai economizar. Está erguendo o Estádio de Lusail, juntamente com um município ao redor dele! 

O ponto positivo é: depois do Mundial, como ficará ocioso, o Lusail Stadium vai virar um hospital, escola e shopping integrados!

Sobre essa coisa incrível (e um vídeo da tradição, cultura e tecnologia de lá, abaixo),

Extraído de: https://esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,catar-revela-projeto-do-estadio-mais-importante-da-copa-do-mundo-de-2022,70002647869

CATAR REVELA PROJETO DO ESTÁDIO MAIS IMPORTANTE DA COPA DO MUNDO DE 2022

Lusail Stadium terá capacidade para receber até 80 mil torcedores e tem previsão de ficar pronto em 2020

O projeto do estádio mais importante da Copa do Mundo de 2022, no Catar, foi oficialmente apresentado neste sábado, em um evento de gala realizado na Marina de Lusail, cidade que fica a 15 quilômetros ao norte de Doha, a capital do país.

A arena, que terá capacidade para receber até 80 mil torcedores, tem previsão de ficar pronta em 2020. E neste sábado o Comitê Organizador do Mundial permitiu o acesso de alguns jornalistas convidados às obras de construção do local, que deverá abrigar o jogo de abertura, a grande decisão da Copa e vários outros jogos da competição que ocorrerá daqui a quatro anos.

Inspirado na antiga tradição do artesanato do Oriente Médio, o projeto do estádio revelou que o mesmo terá formas arredondadas, será predominantemente dourado em seu exterior e contará com um teto branco com um design moderno. O estádio Lusail será uma das oito arenas que abrigarão partidas da Copa, sendo que, no ano passado, o Khalifa International Stadium se tornou o primeiro a ficar pronto para a competição.

De acordo com a previsão dos organizadores, outros dois estádios estão programados para terem as suas obras finalizadas no começo do próximo ano: o Al Wakrah Stadium e o Al Bayt Stadium.

“Já se passaram oito anos desde que conquistamos os direitos de sediar a Copa do Mundo de 2022 e pedimos ao mundo que esperasse algo incrível. Com este impressionante design do nosso estádio (de Lusail), hoje estou orgulhoso de mais uma vez estar cumprindo essa promessa”, afirmou o secretário-geral do Comitê Organizador da Copa de 2022, Hassan Al Thawadi, durante o evento deste sábado, no qual também destacou que a arena principal do Mundial fica no coração de uma nova cidade que está sendo erguida em função do Mundial.

“Lusail é uma cidade para o futuro, e uma vez que a Copa do Mundo acabar, será como cada um dos nossos outros sete estádios – uma parte crucial do legado do torneio, que se transforma para se tornar o coração de uma nova comunidade”, reforçou.

Após a Copa, as 80 mil cadeiras do estádio de Lusail serão retiradas e doadas. E a arena deixará de servir para o futebol para ser transformada num espaço que contará com escolas, lojas, instalações esportivas e clínicas médicas. Será a consequência óbvia para dar utilidade a um local que não possui tradição futebolística importante e nem clubes de relevância no cenário mundial.

A secretária-geral da Fifa, Fatma Samoura, também exibiu empolgação com o projeto do principal estádio da Copa durante o evento deste sábado. “Estou muito feliz por ver o compromisso continuado do Catar com a excelência no espetacular estádio Lusail”, ressaltou a dirigente. “Os estádios do Catar estão entre os mais atraentes já vistos e o local desejado para a final é absolutamente lindo. Eu particularmente aprecio o fato de que a cultura do Oriente Médio é refletida em vários outros projetos de Lusail e estou ansiosa para ver os fãs de futebol de todo o mundo descobrirem a cultura e a história desta região”, reforçou.

A Copa do Mundo de 2022 está marcada para ocorrer entre os dias 21 de novembro e 18 de dezembro, sendo que a Fifa planeja poder ampliar o número de seleções da competição de 32 para 48 a partir desta próxima edição do evento.

Resultado de imagem para Lusail Stadium

Assista o vídeo abaixo:

– Renato Gaúcho, mesmo sem licença, dirigirá o Grêmio sim!

Pode Arnaldo?

Renato Gaúcho não poderá ficar na área técnica como treinador em jogos do Campeonato Brasileiro, segundo a CBF Academy, pois reprovou por faltas no curso de capacitação e formação exigido pela entidade.

E ele está preocupado? Algum árbitro impedirá ele?

Que nada! Lá na Praia, jogando futvôlei, já sabe que poderá muito bem estar no banco de reservas inscrito como qualquer outro membro do Grêmio – como diretor do time, por exemplo, ou ainda massagista – bastando apenas apresentar o seu RG.

Ninguém o impedirá de dirigir sua equipe nos jogos, nem a falta da Licença PRO exigida pela CBF. Neste país, e em especial no futebol, há de se arranjar (infelizmente) jeitinho para tudo.

 

– Que pisada do Rosemberg! A troco de quê?

Os caras falam bobagem, e depois o árbitro tem que aguentar os jogadores raivosos dentro de campo e a PM os hooligans brasileiros nas ruas da capital paulista!

O diretor do Corinthians, Luís Paulo Rosemberg, causou polêmica ao dar uma entrevista à Rádio Bandeirantes (onde trabalhou como comentarista econômico até há pouco) neste último domingo.

Falando que a dívida do Timão em relação ao estádio não é de mais de 1 bilhão de reais, como se tem cobrado, mas sim próxima a R$ 650 mil, na conta que o clube acha mais correta (e que brigará na Justiça), resolveu gratuitamente atacar seu co-irmão Palmeiras alegando que o Estádio do rival era um “Pneu Deitado da WTorre”, e que felizmente no Parque São Jorge não existia uma imperadora [dona Leila da FAM / Crefisa] como no Parque Antártica.

Pra quê criar tal cizânia?

Claro que os ânimos estarão acirrados, e o Verdão vai lembrar que a Arena Corinthians é ironizada em formato de impressora HP, que o dono é a Odebrechet ou a Caixa Econômica Federal, além de que ocorreram imperadores por lá, como a MSI de Kia, Banco Excel, Fundo HTMF …

Totalmente desnecessário falar isso. Onde está a responsabilidade do cartola em não incitar a violência no futebol? Falar isso para gente séria em torno de brincadeira é uma coisa; falar isso como ironia para fanático, é outra…

Resultado de imagem para Allianz Arena Arena Corinthians

 

– Política, Futebol e Religião se discutem? Sobre e o Presidente e a Taça.

Tomo muito cuidado ao escrever essa postagem, mas ao mesmo tempo convicto do que estou redigindo por já ter estudado outrora o tema a fundo: Política e Religião no futebol são permitidas pela FIFA?

E a resposta é: NÃO!

São assuntos espinhosos, é sabido. Mas não é por isso que devem ser esquecidos, ignorados e evitados ao extremo. Devem ser, sim, RESPEITADOS!

Mas vamos ao ponto: a FIFA, em 2008, ficou muito preocupada com as manifestações religiosas, políticas, sexistas e racistas que surgiam nos estádios de futebol. Poucas providencias foram tomadas efetivamente, a não ser o pedido de que as federações alertassem as Seleções e os clubes de tais cuidados nas partidas.

Somente em 2009, quando a International Board foi pontual, proibindo manifestações de tal ordem no campo de jogo e as incorporando nas Regras do Futebol, é que essas situações foram levadas mais a sério.

Vamos a um exemplo bem específico: logo na primeira competição sob a vigência destas normas organizadas pela FIFA, a Copa das Confederações 2009, viu-se a conquista da Seleção Brasileira e a comemoração efusiva dos jogadores brasileiros. Os integrantes do grupo “Atletas de Cristo”, por exemplo, de joelhos dobrados em campo num mini-culto de louvor a Jesus pela vitória contra o adversário. Pois bem, a Federação da Dinamarca, um país onde o Estado é Laico e que há muita concentração de ateus, pediu para que providências fossem tomadas por tal proselitismo religioso, segundo o órgão. Cabe sempre ao árbitro relatar o que acontece em campo ANTES, DURANTE e DEPOIS do apito inicial e do apito final (punindo com cartões, ou, como foi dito, relatando). A FIFA apenas advertiu a CBF por tal fato. 

Imagine se ocorresse o jogo Israel (que profeta o judaísmo) x Irã (que crê no islamismo). Qualquer manifestação a Iaweh ou a Alá (que são o mesmo Deus Criador, chamado de Pai pelos cristãos) durante uma comemoração de gol geraria um desconforto absurdo. Lembrando que, camisas ou faixas como “I Love Jesus” são proibidas por tal respeito interreligioso. Aqui, discorde ou não das orientações da Regra, ela funciona desse jeito.

(Já escrevi sobre tal fato em: https://professorrafaelporcari.com/2012/11/24/manifestacoes-religiosas-no-futebol-pode/)

Vamos ao campo político: pode o presidente eleito Jair Bolsonaro entrar no gramado e entregar a Taça de Campeão ao Palmeiras? 

NÃO! Nem se fosse o atual presidente Michel Temer ao seu São Paulo Futebol Clube (notório torcedor não praticante), nem a ex-presidente Dilma com sua dupla paixão colorada-atleticana (ela é Inter-RS e Atlético-MG, declaradamente). Pode-se anunciar pelo microfone a presença de autoridade presente (que deve ficar na arquibancada / tribuna de honra / camarote), mas não descer ao campo de jogo, por conta de se evitar contestações de proveito ideológico / político / eleitoral. É uma situação diferente de um pronunciamento de abertura como Copa do Mundo ou Jogos Olímpicos, onde o Chefe da Nação fala às delegações e a seus pares internacionais, por convite do organizador do evento.

Escrevo sem ler o relatório do árbitro (ele tem que citar o acontecimento). Mas cá entre nós: a CBF puniu o Atlético Paranaense por fazer campanha de apoio político ao então Bolsonaro? E não fará agora, pois ela sempre está alinhada (ou tenta estar) com o Poder. Vide as ótimas relações com os últimos governos e a evidente tentativa de aproximação com o atual).

Resultado de imagem para Bolsonaro Taça Palmeiras

– A Operação Game Over continua na ativa!

Que coisa, hein? Quer dizer que apostadores de resultados em jogos de futebol (vindos da Malásia e da Indonésia) queriam até mesmo adquirir um clube para fazer suas artimanhas no Brasil?

Tudo isso já foi descoberto pela Operação “Game Over”, que desde 2015 investiga a manipulação de resultados e que nesta semana trouxe mais novidades.

Sabe-se, agora, que a ideia dos criminosos era de comprar um time em dificuldade financeira. Enquanto isso, a apuração do esquema que envolvia clubes da A2, A3, Segunda Divisão Paulista e Sub 20 em São Paulo, além de outros do Interior do Nordeste, continua tendo desdobramentos até hoje.

No inquérito de mais de 700 páginas, revelou-se que foi oferecido R$ 10.000,00 ao Tupã para perder de 4×0 para o Barretos, pela A3. Ao São José, foi oferecido R$ 50.000,00 para perder de 3×0 para o Corinthians no Sub20. Para um time da A2 (não revelado no inquérito, a proposta foi de US$ 30,000.00). E Márcio Orelha, um dos ex-jogadores envolvidos, afirma que nunca tentaram nada com clubes da A1 devido a visibilidade.

A certeza é: uma derrota por goleada em casa do Atlético Sorocaba frente o Santo André há 3 anos pela Categoria de Jrs, fazia parte da armação, pois o cheque das taxas de arbitragem foi pago por um dos membros da quadrilha

Imprudência ou confiança de que nada aconteceria?

Outras informações do inquérito, cujo julgamento retomou nesta 4ª feira dia 28/11/2018, abaixo,

extraído de: https://globoesporte.globo.com/blogs/bastidores-fc/post/2018/11/28/manipulacao-no-futebol-cheque-de-lider-de-quadrilha-pagou-arbitragem-de-jogo-sub-20-em-sp.ghtml

MANIPULAÇÃO NO FUTEBOL: CHEQUE DE LÍDER DE QUADRILHA PAGOU ARBITRAGEM DE JOGO SUB-20 EM SP

Árbitro relatou informação em súmula de partida que iniciou investigação em 2015; julgamento do caso é retomado nesta quarta

Por Leonardo Lourenço

Um cheque do homem que é apontado pelo Ministério Público como líder de uma quadrilha que manipulava resultados no futebol foi utilizado para pagar a taxa de arbitragem de uma partida do Paulista sub-20, em 2015 – um encargo que geralmente cabe ao clube mandante do jogo.

A goleada do Santo André sobre o Atlético Sorocaba por 9 a 0 foi o estopim de uma investigação que identificou um grupo que fraudava os placares para beneficiar apostadores asiáticos. Treze pessoas foram denunciadas em 2016, e o julgamento, que começou em dezembro do ano passado, foi retomado nesta quarta-feira, em São Paulo. A sentença será conhecida em 2019.

Anderson Silva Rodrigues é acusado de liderar a quadrilha no Brasil sob ordens de dois homens da Malásia. Foi com um cheque dele que o Atlético Sorocaba, mandante daquele duelo, pagou R$ 1.361 à equipe de arbitragem que atuou na partida. A informação, com nome e CPF do titular da conta, está na súmula do jogo.

Ao GloboEsporte.com, em contato realizado por meio de seu advogado, Rodrigues negou “categoricamente” ter emitido qualquer cheque como o citado. Um dirigente do Atlético Sorocaba afirmou não conhecer Rodrigues.

A incomum goleada no estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, gerou um alerta de uma empresa austríaca de monitoramento de indícios de fraude no futebol entregue ao Ministério Público de São Paulo e à Federação Paulista de Futebol (FPF) – um inquérito foi aberto em seguida pela Polícia Civil para investigar o caso.

À época, os investigadores grampearam o árbitro do jogo, Carlos Eduardo Gomes, seis dirigentes do Santo André e outros quatro do Atlético Sorocaba, clube que está licenciado na FPF desde o ano passado. As escutas não produziram provas suficientes, o que esfriou o caso.

A apuração só ganhou força novamente quando, cerca de dois meses depois, dirigentes do Tupã e do São José, ambos do interior paulista, apresentaram denúncia à FPF. Nela estavam mensagens enviadas por Anderson Silva Rodrigues e outros membros da organização em que ofereciam dinheiro para que jogos desses clubes fossem manipulados. 

A partir daí, a polícia iniciou nova série de interceptações telefônicas em que foi possível identificar 11 dos acusados – além deles, os dois malaios, que nunca foram encontrados, tornaram-se réus em 2016 após serem citados em delação premiada de um ex-atleta, Márcio de Souza, envolvido nos crimes.

RELAÇÃO COM O ATLÉTICO SOROCABA

Apesar disso, os investigadores nunca conseguiram demonstrar a participação do grupo no jogo entre Atlético Sorocaba e Santo André. A ligação entre Anderson, o líder da organização, e a partida, porém, esteve sempre à disposição, na súmula do confronto, publicada desde então no site da FPF.

A informação consta no espaço para o relato de “ocorrências/observações”, e a descrição é do árbitro Carlos Eduardo Gomes:

– Informo ainda que a taxa de arbitragem foi paga com cheque único. Cheque: Banco Itaú Agência: 8794 Conta Corrente: 30176-5 N. do Cheque: SA-000099 Nome: Anderson Silva Rodrigues CPF: 036.093.517-64 no valor de R$ 1.361,00.

Trata-se do mesmo Anderson Silva Rodrigues acusado de fraudar resultados, de acordo com pedido de prisão feito pela Polícia Civil, onde aparece o mesmo CPF registrado na súmula.

– Não faço a mínima ideia de quem seja (Anderson) – disse Gomes aoGloboEsporte.com. O árbitro é testemunha de acusação no processo em andamento no Juizado do Torcedor de São Paulo.

Em depoimento, em dezembro do ano passado, o árbitro declarou não ter percebido “nada de anormal”. Em um momento, o juiz pede que ele olhe aos réus, presentes na sala de audiência, e responda se reconhece algum deles. Ele diz que não.

À reportagem, Gomes afirmou que recebeu o pagamento do clube mandante, como é praxe – geralmente, porém, os valores são entregues em dinheiro e repartidos entre árbitro e auxiliares no vestiário.

Gomes contou que relatou o pagamento em cheque na súmula por orientação da FPF e do Sindicato dos Árbitros, que é quem recebe o cheque nesses casos e depois repassa os valores aos árbitros.

– O sindicato verifica se tem fundo, (depois) deposita na conta de cada um.

Situação semelhante ocorreu no jogo anterior do Atlético Sorocaba como mandante, contra o São Caetano. Nesta partida, o cheque que pagou a taxa de arbitragem era de Adilson Moura Damasceno, que não é investigado.

Segundo pessoas que atuavam na comissão técnica da equipe na época, Damasceno era gerente das categorias de base, que era terceirizada. De acordo com esses profissionais, ele dividia essa responsabilidade com Francisco Jamison Gonçalves, um dos alvos da Game Over, como foi chamada a operação, que também é réu no processo – ele é acusado de aliciar atletas para o esquema.

Nesta quarta, após audiência em São Paulo, Gonçalves disse não ter conhecimento sobre o cheque, e que não manteve qualquer relação com Anderson Rodrigues.

No jogo contra o Santo André, Damasceno aparece como auxiliar-técnico do Atlético Sorocaba no relatório da partida – até então, não tinha sido relacionado em nenhuma das súmulas das 20 rodadas anteriores do Paulista sub-20 daquele ano.

No duelo seguinte, outra goleada de 9 a 0, esta sofrida para o São Paulo, em Cotia, Damasceno assina como técnico no lugar de Julimar José Francisco, expulso no confronto sob investigação.

A reportagem tentou contato com Damasceno e Gonçalves, mas eles não foram encontrados.

Vice-presidente executivo do Atlético Sorocaba em 2015, José Rodrigues dos Santos afirmou não ter conhecimento da utilização de um cheque de Anderson Silva Rodrigues para o pagamento da taxa de arbitragem do jogo contra o Santo André:

– É a primeira vez que ouço falar dessa pessoa. Acho estranho (o pagamento da taxa de arbitragem com cheques), normalmente é pago com dinheiro. Para mim é uma novidade – disse ele, questionado pelo GloboEsporte.com.

Anderson Rodrigues se manifestou por meio do advogado de defesa. Em mensagem enviada à reportagem, Marcelo Branco afirmou que o cliente “negou categoricamente de ter emitido um cheque para qualquer pessoa envolvida nesse processo” e que “com certeza esse suposto cheque não existe; se existir, não é de sua titularidade”.

Anderson nunca foi preso pelas fraudes. Quando a operação foi deflagrada, em julho de 2016, ele não foi encontrado. Manteve-se foragido até fazer acordo de delação premiada em que admitiu a intenção do grupo de arrendar um clubepara facilitar os esquemas de manipulação. Ele responde em liberdade.

TÉCNICO BARRADO NO VESTIÁRIO

Ouvido em maio como testemunha durante o processo, o técnico Julimar José Francisco, que comandava o Atlético Sorocaba naquela partida, relatou em depoimento que foi impedido de entrar no vestiário do time no intervalo e que forçou uma expulsão no começo do segundo tempo para não fazer parte do que ele classificou como um jogo “estranho”.

À Justiça, Julimar lembrou que teve que escalar um time formado majoritariamente por atletas do sub-17, já que os jogadores sub-20 tinham sido dispensados às vésperas do confronto com o Santo André – o Atlético Sorocaba já não tinha mais chances de classificação.

O primeiro tempo daquele jogo terminou com uma insuspeita derrota parcial de 1 a 0. Ao deixar o campo após o final da etapa inicial, Julimar contou ter sido surpreendido:

– Chegou o intervalo do jogo, nós estávamos perdendo de 1 a 0, não deixaram nem eu entrar no vestiário. “Pode deixar que agora a gente toma conta”, (disse) o pessoal que coordenava lá – relembrou, sem citar nomes.

– Aí entraram no vestiário, conversaram com os jogadores. (Pensei:) “Eu não vou voltar para esse jogo, tem coisa errada nesse jogo” – completou.

Julimar afirmou que ainda no intervalo procurou o árbitro Carlos Eduardo Gomes e pediu para ele lhe expulsasse, o que teria sido negado pelo juiz. A súmula aponta que o treinador foi excluído do jogo aos seis minutos do segundo tempo ao chamar Gomes de “safado”.

O árbitro disse não se lembrar do pedido de Julimar:

– Não (me lembro). No comecinho do segundo tempo ele me xingou, cheguei até ele, pedi para se acalmar. Eu virei, ele continuou me xingando, eu o expulsei.

Procurado pela reportagem, Julimar se recusou a dar novas declarações:

– O que eu falei, falei na Justiça. Não quero comentar.

Além do técnico, outros três jogadores do Atlético Sorocaba foram expulsos no segundo tempo do jogo contra o Santo André, quando a equipe sofreu mais oito gols.

O Ministério Público de São Paulo denunciou 13 pessoas, inclusive dois malaios, por organização criminosa e por tentativa e fraude de resultados de partidas de futebol.

A quadrilha é acusada de atuar em torneios de menor visibilidade, como as categorias inferiores de São Paulo e em estaduais como os do Ceará e Rio Grande do Norte. Todos respondem ao processo em liberdade; os estrangeiros nunca foram encontrados.

bomba.jpg
Organograma da quadrilha que adulterou resultados no futebol para favorecer apostadores asiáticos operação Game Over — Foto: Reprodução

– A lei que permite um maior número de atletas estrangeiros está prejudicando o futebol brasileiro?

O texto abaixo, em seu original, se encontra em ProfessorRafaelPorcari.com – Discutindo Contemporaneidades, e tudo o que está escrito aqui serve perfeitamente para ilustrar a situação da Arbitragem Brasileira. Segue:

Toda troca de conhecimento / experiência / intercâmbio sempre é muito válida, em qualquer área que seja. No futebol, isso não deve ser diferente: diretores de clubes europeus, treinadores de fora, gestores com outra mentalidade do que a nossa, são sempre peças fundamentais.

E se os estrangeiros forem os jogadores?

Nada contra! Tivemos Dario Pereira, “Dom” Elias Figueroa, Ramoz Delgado, Pedro Rocha… grandes craques que fizeram a diferença por aqui dentro dos gramados. Fora deles, não se pode deixar de mencionar Béla Guttmann, o treinador húngaro que revolucionou o futebol brasileiro, trazendo Zizinho para o SPFC alegando que ele “representava o futebol-arte” (talvez a primeira vez que esse termo foi usado em nosso país). Dizem que Vicente Feola (que foi do próprio São Paulo), inspirou-se demais nos ensinamentos dele na montagem da Seleção Brasileira de 1958, quando ganhamos a primeira Copa do Mundo.

Mas e hoje?

Se tivermos Messi, Xavi, Ibraimovich e outros jogando pelos clubes daqui, tudo bem. Idem a José Mourinho, Guardiola, Pocchetinno e outros tantos treinadores estudiosos que fazem bem à Ciência do Futebol (parece um “pecado” falar em Estudo no Futebol, onde automaticamente o termo “estudioso” passa a ser pejorativo por aqui).

O problema é que passamos a contratar jogadores de fora como mão de obra barata – não como acréscimo à condição técnica, mas como uma ação econômica necessária para se diminuir os custos.

Entendo o problema econômico e financeiro que toda a América do Sul passa. Mas veja: antes, permitíamos 2 atletas de outros países em nossas equipes. Aí a CBF criou uma lei que liberou 5 estrangeiros por time no Brasil dentro de campo. Mas será que isso está trazendo resultados indesejados? Apesar de permitir redução na folha de pagamento de muitos clubes, pense: quantos jovens nacionais perderam espaço?

O próprio São Paulo FC gasta milhões com o Centro de Formação de Cotia, mas tem em seu elenco Rojas, Trellez, Arboleda… (lembram-se de Piris, Isasi, Buffarini, Jonathan Gomez, Rondón, Wilder Guisao…?). O Flamengo dizia que “craque se faz em casa”, mas contratar Uribe, Cuéllar, Berrio, Marlos Moreno e Trauco, não inibe o surgimento de talentos? Diga-se o mesmo do Fluminense com seus equatorianos e o celeiro de jovens em Xerém.

Em 2018, vimos uma Seleção Italiana ausente do Mundial e repleta de jogadores da Atalanta, Sampdória, Gênova… Na Inglaterra, que só ganhou uma Copa do Mundo quando a sediou, temos equipes inteiras jogando com atletas não ingleses! Aliás, isso aconteceu com o Arsenal pela primeira vez em 2011, com 14 nacionalidades diferentes em seu elenco (aqui: https://professorrafaelporcari.com/2011/11/26/globalizacao-do-futebol-arsenal-joga-com-atletas-de-14-paises-diferentes/)

Será que um dos problemas da renovação da Seleção Brasileira e dos clubes nacionais não seria o excesso de estrangeiros com qualidade duvidosa nas equipes, em prejuízo às bases (que em muitos casos acabam sendo entregues aos empresários)?

É para se pensar… quando o gringo é diferenciado, se dá o nome de “Professor Pardal” para treinador ou “em fim de carreira” para jogador que vem pra cá. Mas quando é medíocre, os cartolas taxam-o de “desconhecido pela mídia” ou de “promessa”. Foi assim com Matias Defederico, (o “novo Messi” que está na Índia atualmente) Matosas, Patito Fernandes, Acosta, Tobio… ou até mesmo Kazim!

O que você pensa sobre isso?

bomba.jpg

– Quem foi revelado no apito do Brasileirão 2018?

Eu não gostaria de estar escrevendo esta postagem, mas se faz necessária tal reflexão: enquanto os meios esportivos estão fazendo a “Seleção do Campeonato Brasileiro“, fico pensando sobre os melhores árbitros do ano!

Quem se destacou?

Difícil dizer. Todo mundo errou significativamente; alguns mais, outros menos, mas todos erraram.

A maior preocupação não é essa, mas sim: quem foi REVELADO! E assim como na FPF, a gestão do Coronel Marinho não conseguiu “fazer ninguém” na CBF. Nossos 10 FIFA’s estão abaixo (na sua média) da qualidade de tempos atrás. Aliás, talvez, por incrível que possa parecer, a última “leva” competente de árbitros brasileiros na FIFA tenha ocorrido com Armando Marques (que também já critiquei).

Me pesa ver tanto tempo de Sérgio Correa da Silva no comando da arbitragem e o nível ter se estagnado e depois regredido. Idem ao atual comando do ex-chefe da arbitragem da Federação Paulista.

Enfim: qual nome seria “incontestável” em 2018 como revelação?

Como na imagem abaixo, a arbitragem brasileira anda bem “bola murcha”…

Resultado de imagem para Bola murcha

– A sugestão dos pênaltis antes dos jogos não evoluiu?

Uma idéia surgida há 4 anos que não pode ficar sem um desfecho (positivo ou negativo), e que veio de um vitorioso no futebol – de Sir Alex Fergunson, ex-treinador por décadas do Manchester United e que hoje faz parte de um grupo de notáveis que buscam o desenvolvimento do futebol pela UEFA.

Foi dele a proposta que ganhou simpatia de muitos na Europa: em jogos eliminatórios, realizar a decisão de tiros penais ANTES das partidas.

E por vários motivos:

1- Uma equipe pequena que estivesse empatando em 0 x 0 até o final da partida contra um grande, caso soubesse que a vitória seria do adversário nas decisões penais, sairia mais para o jogo.

2- Não teríamos o vilão das cobranças, ou seja, aquele jogador que perde o último chute e fica marcado, já que sua equipe teria a possibilidade de buscar a vitória dentro de campo.

3- Mesmo se um time vencesse fácil a partida e os tiros penais se tornassem desnecessários, haveria essa certa dose de emoção antes das partidas.

É claro que surgiram críticas: cansaço emocional e físico desnecessário antes dos jogos e, caso uma equipe mais fraca vença nos pênaltis, total retranca durante os 90 minutos.

E você, o que acha dessa idéia?

Deixe seu comentário:

bomba.jpg