– Os semelhantes desvios nos gols anulados em River Plate 0x3 Palmeiras e Palmeiras 0x2 River Plate.

As regras do futebol não são claras, mas apaixonam quem as estudam.

Vamos lá: desvio tira o impedimento?

Depende de “qual” desvio. Deliberado ou não? E para explicar os gols anulados na Argentina (de Scarpa) e no Brasil (de Montiel), precisamos entender.

  1. No começo do século XXI, desvio deliberado para jogador impedido que não estava na jogada, habilitava o atleta – por exemplo, um atacante que vai lançar a bola para seu companheiro que estivesse sozinho na grande área, e um defensor a interceptasse: se ela pegasse um efeito e sobrasse para um outro atacante à beira do campo que estivesse impedido (mas não diretamente no lance), esse desvio tirava o impedimento.
  2. Há 5 anos, isso mudou: o desvio de tentativa de disputa do defensor passou a habilitar qualquer atleta em impedimento – por exemplo, um atacante vai lançar para seu companheiro que está em impedimento, mas o defensor disputa a bola deliberadamente (ou seja, com intenção de não permitir que ela chegue ao adversário) interceptando-a. Essa bola desviada, se chegar ao atleta impedido, poderá ser jogada pois esse desvio o habilitou.

Recorde os gols anulados citados acima: tanto na partida de ida quanto na de volta, nos lances de impedimento a bola era originada de desvio voluntário?

NÃO. Todos de desvios casuais. Por isso, ambos lances se parecem e foram bem anulados.

Sobre outros lances que envolveram o VAR na partida de ontem, aqui: https://professorrafaelporcari.com/2021/01/12/o-melhor-em-campo-no-palmeiras-x-river-plate-foi-o-gallo/

Situações de análise VAR: River Plate x Palmeiras | CONMEBOL

– Motivos para estar atento quanto a arbitragem de Santos x Boca Jrs.

Tenho sérias preocupações com a arbitragem de Wilmar Roldán na Vila Belmiro, nesta 4a feira. E são ressalvas importantes:

Após as queixas justas do Peixe pela não marcação do pênalti no La Bombonera em Marinho (vide aqui: https://wp.me/p4RTuC-sNv) e os áudios estapafúrdios divulgados, a Conmebol escalou o colombiano Roldán para o jogo de volta. Isso, para muitos, foi demonstração de força do Santos, pois ele foi o árbitro da vitória santista contra o Grêmio.

Doce ilusão de que um árbitro que apitou sua vitória em jogo passado seja sinônimo de vitória futura… Carlos Amarila e Ubaldo Aquino, num passado não tão distante, também haviam apitado muito bem antes das “cácas” contra o Corinthians e o Palmeiras, justamente em confrontos contra o Boca na Libertadores da América.

Se não bastasse esse indicador, historicamente temos suspeitas e comprovações de manipulação por todos os lados. Lembremo-nos das conversas de Grondona a favor do Independiente contra o Santos em 64. Aliás, quantos presidentes a Conmebol viu serem presos nos últimos 5 anos?

Roldán não tem histórico de, em confrontos entre brasileiros e argentinos, “errar pra time do Brasil”. Ao contrário! Um conjunto de equívocos a favor de argentinos, que compartilho aqui: https://wp.me/p4RTuC-sOq.

Torço para uma partida justa e bem apitada! Não sou adepto de teorias conspiratórias (como as de que a Conmebol não deixará ter uma partida final entre brasileiros, sem argentinos, num estádio brasileiro – pois seria “Brasil demais para todo o continente”). Mas abra o olho, Santos FC!

Sportbuzz · Santos x Boca Juniors: Saiba onde assistir e prováveis  escalações da semifinal da Libertadores