– Rogério Ceni na entrevista pós-jogo e a proposta de Beretta para as coletivas dos árbitros!

Escuto a entrevista do treinador Rogério Ceni após a vitória do Flamengo sobre o Palmeiras. E ele pediu algo exatamente idêntico o que a Itália discutiu em 2007: coletiva de árbitros. Abaixo:

Nesta semana, repercutiu por várias mídias a declaração de um atleta italiano sobre arbitragem.

Samuele Beretta, jogador da Internazionale de Milão, propôs algo diferente para fiscalizar a idoneidade dos árbitros: obrigá-los a dar entrevistas coletivas pós-jogo. Segundo ele,

“os árbitros não podem ser questionados pela honestidade, mas ao menos que justifiquem suas marcações publicamente e tenham oportunidade de dizer ‘eu errei’ para todos“.

A ideia é polêmica.

Na prática, vários problemas: Daria tempo dos árbitros reverem os lances para falarem sobre eles? Lances interpretativos poderiam gerar discussões ainda maiores? Os árbitros que assumissem publicamente que erraram seriam boicotados por outros clubes, que não se sentiriam seguros em suas escalas? Ou aqueles que sustentassem determinadas marcações errôneas poderiam ser taxados de mentirosos ou colocados em suspensão?

Por outro lado, daria mais transparência aos olhos do público; possíveis desentendimentos de marcações seriam ali solucionados; aprender-se-ia, por parte dos leigos, mais sobre Regra de Jogo.

No fiel da balança, qual sua opinião sobre essa proposta?

Até a acho interessante. Gosto de transparência. Mas a aplicabilidade dela é algo a se pensar.

Resultado de imagem para Microfone

– São Paulo 0x0 Fluminense e a prova de que vale a pena estudar a Regra do Futebol.

Dois veteranos no protagonismo: Nenê (FLU) e Miranda (SPFC). O primeiro vai cobrar um pênalti para a sua equipe e o segundo, inteligentemente, se posiciona à frente do batedor que vai cobrar o tiro penal e está fora da área (e de maneira legal). Um lance didático e interessante!

Alguém explicou a regra para os atletas do São Paulo (e por isso defendo: equipes profissionais devem ter ex-árbitros em suas comissões técnicas, ensinando regras do jogo para as categorias de base e dando dicas para os profissionais). A meia-lua só serve para mostrar a distância  dos 9,15m que os atletas devem ter do ponto penal na cobrança de pênalti.

Se o cobrador sair da meia lua e estiver a uma distância maior, não há problema que alguém fique posicionado à frente dele, pois a regra está sendo cumprida. Miranda fez isso. Parabéns!

A pergunta é: precisa-se correr 10 metros para chutar um pênalti?

Verifique: os atletas são-paulino ficaram em arco, à beira da meia-lua, bem posicionados. Ninguém faz isso.