– A pesquisa sobre a “aprovação do VAR na Inglaterra”.

E se no Brasil existisse uma Federação de Torcedores de Futebol, e ela manifestasse à CBF suas impressões sobre o VAR no futebol brasileiro?

Foi isso o que aconteceu na Inglaterra, onde uma pesquisa concluiu que o VAR tornou os jogos menos agradáveis.

Abaixo, extraído de: https://www.cnnbrasil.com.br/amp/esporte/2021/06/02/mais-de-40-dos-torcedores-devem-ir-a-menos-jogos-devido-ao-var-diz-pesquisa

MAIS DE 40% DOS TORCEDORES DEVEM IR A MENOS JOGOS DEVIDO AO VAR, DIZ PESQUISA

Estudo feito com 33.243 fãs ingleses mostrou que mais de 94% consideraram que o árbitro de vídeo tornou ‘menos agradável’ assistir aos jogos

Um estudo conduzido pela Federação de Torcedores de Futebol (FSA, em inglês) na Inglaterra mostrou que mais de 40% dos torcedores estão menos propensos a irem a jogos de futebol devido a preocupações com o sistema de Árbitro Assistente de Vídeo (VAR).

A pesquisa, feita com 33.243 torcedores, mostrou que mais de 94% dos entrevistados consideraram que o VAR tornou “menos agradável” assistir futebol, citando questões como o tempo necessário para confirmar as decisões.

Os fãs também disseram que o VAR arruinou a espontaneidade das comemorações dos gols. Apenas 26% apoiaram o uso de VAR, embora 97% tenham se mostrado a favor da tecnologia da linha do gol, que fornece resultados quase instantâneos.

A FSA disse que os resultados da pesquisa serão compartilhados com a Premier League, a 1ª divisão do futebol inglês.

“Esperamos que a Premier League e o corpo de árbitros ouçam a voz dos torcedores e tomem medidas urgentes para melhorar um sistema que não fornece decisões claras e compreensíveis em estádios”, disse o vice-presidente da FSA, Tom Greatrex.

Árbitro revisa marcação de pênalti com ajuda do VAR em partida entre Fulham e Leicester City pela Premier League. Foto: Visionhaus – 30.nov.2020/Getty Images

– Explicando a expulsão de Fágner no Corinthians 0x2 Atlético Goianiense pela Copa do Brasil.

Num prazo de 4 dias, o Dragão venceu o Timão na sua casa por duas vezes consecutivas.

Não bastasse a campanha ruim do Corinthians (comentamos aqui: https://wp.me/p4RTuC-vfd), há uma expulsão muito polêmica do lateral Fágner. Vamos discuti-la, se foi correta ou não?

Entenda: lances em que se tem sangue, machucaduras diversas ou quedas acrobáticas, no futebol, muitas vezes não justificam as marcações. Digo isso pois Fágner postou nas Redes Sociais um corte, alegando ter sido em consequência da falta em que foi expulso. Não o desminto, mas não posso deixar de considerar que ele possa a ter sofrido em outra situação – e ela não abona o lance que discutiremos.

1- A expulsão do corintiano não foi por Cartão Vermelho direto. Foi pelo Segundo Amarelo, vale lembrar.

2- Fágner sofreu uma falta temerária no 1o tempo, e seu adversário Zé Roberto foi punido corretamente com cartão amarelo. Na primeira oportunidade, Fágner “desforrou” e se vingou com uma falta dura no mesmo atleta, rendendo-lhe uma justíssima advertência (assim como no lance anterior do seu oponente, num critério uniforme do árbitro Bráulio Machado). Fica a pergunta: um atleta experiente como ele, que joga em um clube importante como o Corinthians, não sabia que iria ficar pendurado no começo do jogo por tal ato?

3- No segundo tempo, Fágner vai disputar de novo uma bola com o mesmo Zé Roberto. Simultaneamente, ele atinge a bola com o pé esquerdo, e o adversário com a perna direita, evitando um possível ataque do time goiano. Não é lance violento; é falta comum que, pelo local e pela situação (evitando o avanço adversário) é para Cartão Amarelo. Lembrando: disputar a bola e depois por consequência o outro atleta cair, é lance legal. Mas disputar a bola e atingir simultaneamente bola e adversário, é falta.

4- Repito o que escrevi anteriormente: clubes grandes precisam ter ex-árbitros para orientar os jogadores quanto à Regra do Jogo: desforrar uma falta em que o atleta já tinha amarelo e ficar pendurado, seria evitável – assim como o 2o cartão. Se o Fágner tivesse alguém no dia-a-dia dando dicas de regras e artimanhas, talvez o comportamento tivesse sido outro.

Fágner, lógico, paga o preço da “fama de violento”. Lembro-me de Miranda x Edmundo em um São Paulo x Palmeiras: o são-paulino estava em sua fase “Gamarra”, ganhava todas dos atacantes e não fazia falta alguma. Num Choque-Rei, Edmundo foi disputar com ele e o zagueiro perdeu o tempo da bola, atingindo o palmeirense e cometendo pênalti. O árbitro não teve dúvida: marcou simulação e amarelou Edmundo…

Em tempo: Sylvinho, na coletiva, disse que poderia rever os seus conceitos, mas complementou quesão os jogadores quem efetuam os lances”. Teria ele começado a perder o grupo, ao jogar / dividir a culpa com o elenco?