– Vai abrir o microfone dos árbitros?

Há muito se discute que os microfones dos árbitros fossem abertos e as conversas com assistentes e VAR ouvidas pelo público. Algo difícil de se acontecer…

Acontece que à Folha de São Paulo, para Alex Sabino, (vide o link aqui: https://www1.folha.uol.com.br/esporte/2022/09/seneme-defende-arbitragem-do-brasil-e-pretende-torna-la-mais-transparente.shtml), Wilson Seneme se disse favorável à medida, e que se a FIFA autorizar, o Brasil será pioneiro nisso.

Tudo bem! É legal isso, mas…

  • Não seríamos nós os pioneiros a ter o VAR em nossos campeonatos? E não fomos….
  • Não seríamos os primeiros a divulgar áudios do VAR depois da partida? E não fomos…
  • Não seríamos os vanguardistas na formação de árbitros exclusivamente para o quadro do VAR? Demoramos tanto e fizemos tão mal, que nem árbitro de vídeo irá para a Copa do Mundo…
  • Não seremos pioneiros a ter a tecnologia de impedimento semi-automático no Brasileirão, e, por todo o histórico, não seremos também escolhidos para abrir o microfone nos jogos (por todo o histórico).

E você, o que acha da ideia? Deixe seu comentário:

Meme extraído de: https://esporte.ig.com.br/futebol/2019-05-23/var-em-acao-confira-os-melhores-memes-sobre-arbitro-de-video-na-web.html

– A expulsão de Abel no clássico Palmeiras 1×0 Santos.

Nova expulsão do treinador Abel Ferreira. Nova entrevista reclamando da arbitragem. Nova série de lamentos e suposições de que “é tudo contra ele”.

Bobagem. Abel reclama acima do que acontece na realidade (mesmo com arbitragens ruins) e passa do ponto. Ele não tem a noção real do limite de até onde pode pressionar o árbitro ou seus assistentes. Alguém acredita que ele teria esse comportamento na Premier League?

Me recordo de Telê Santana. Seu Telê reclamava o jogo inteiro com o bandeira, ficava ao pé-do-ouvido falando com o assistente sem teatralizar as queixas ou ficar gritando palavrões. Quem viveu os anos 90, se lembra que Valter José dos Reis, assistente da FIFA que por muitos anos trabalhou nos principais jogos do Brasil, era constantemente escalado como bandeira 1 no Morumbi. Motivo: sabia “ser surdo” com o Telê… pois ele queria, muitas vezes, atenção!

Abel gesticula, fala o que quer, pressiona de todas as formas. Se não existisse a expulsão por segundo amarelo, em várias partidas Abel tomaria 3 ou 4 cartões num único jogo… ele não permite que o bandeira seja “surdo como o Valter” era. Até porquê quando ele ameniza nas queixas, a sua comissão técnica reveza nas reclamações.

Para um treinador tão competente e jovem como o português, há tempo para corrigir o mau comportamento.

Confira como foi a transmissão da Jovem Pan do jogo entre Palmeiras e Santos  | Jovem Pan