– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Camarões x Brasil.

Para o 3º jogo da Seleção Brasileira, teremos trio de arbitragem americano, árbitro reserva chinês e equipe de VAR espanhola (nenhum europeu ainda apitou a Seleção Brasileira):

Árbitro: Ismail Elfath (EUA)
Bandeira 1: Kyle Atkins (EUA)
Bandeira 2: Corey Parker (EUA)
4º árbitro: Ma Ning (China)
VAR (árbitro de vídeo): Alejandro Hernandez (Espanha)
AVAR 1 (bandeira de vídeo): Juan Martinez (Espanha)
AVAR 2 (bandeira para impedimento no vídeo): Pau Cebrian (Espanha)
AVAR 3 (assistente p/ suporte): Ricardo De Burgos (Espanha).

Elfath reside em Austin (Texas) e é imigrante marroquino, tendo se naturalizado norte-americano há algum tempo. Tentou ser jogador de basquete (mesmo não sendo alto) e depois jogador de “soccer”, mas virou árbitro… Chegou ao país com 18 anos (hoje tem 40) e está no quadro da FIFA há 6 anos. Foi para a Copa do Mundo com a credencial de melhor árbitro da MLS.

Um detalhe interessante: Ismail Elfath é ativista de direitos islâmicos nos Estados Unidos, sendo um importante líder numa associação local, especialmente acolhendo jovens vítimas de islamofobia na América.

Nesta Copa, Ismail apitou a vitória de Portugal contra Gana, no duvidoso pênalti em Cristiano Ronaldo.

Imagem extraída de: Photo by Bill Barrett – ISIPhotos.com

– O (2º) pênalti inexistente para Messi (POL x ARG).

No jogo da Argentina contra a Polônia, mais um pênalti inexistente marcado para Messi. E por quê?

Duas explicações:

1- Messi é bom moço, não simula, tem histórico favorável. Se Neymar leva um soco no rosto, dependendo do árbitro, diz que ele deu “uma cabeçada na mão do adversário”. Se Messi cai e alguém pede pênalti, o árbitro leva em conta a trajetória do atleta…

2- Todo lance que envolver “cabeça de atleta”, a FIFA tende a dar atenção especial. Não foi pênalti, foi causalidade do goleiro com o jogador argentino, que é mais baixo. Mas de tanto você massificar que deve “ter cuidado com lances que atinjam a cabeça”, mesmo se não for falta, o árbitro marca “pela preocupação”.

Lembrando: contra a Arábia Saudita, Raphael Claus também deu um pênalti inexistente que Messi cobrou.

Polônia x Argentina: veja onde assistir, escalações e horário | copa do mundo | ge

Imagem extraída de: GE.com

– O gol anulado de Griezmann em Tunísia 1×0 França.

Não é maluquice, mas estamos ouvindo muitas coisas (das sensatas às absurdas) sobre o gol anulado da França, aos 54m do segundo tempo. 

Mas o que aconteceu?

Quando a bola é lançada, o francês Griezmann está em posição de impedimento. Um tunisiano tenta interceptar a bola, a toca, e ela acaba sobrando para o atacante fazer o gol.

1- Antigamente, desvio não tirava impedimento. Seria gol ilegal.

2- Nos anos 2010, a Regra mudou e colocou que “quando ocorresse um desvio da zaga, em disputa da bola, esse desvio habilitava o atacante”. Seria, portanto, gol legal.

3- Desde Julho/2022, a orientação é de que: se o zagueiro desviar a bola mas não estiver equilibrado por força de um contato adversário neste desvio (ou seja, se a zaga desviar, mas ela ter tido contato físico num tranco legal ou algo que valha, sem falta), por estar desequilibrado esse toque não tirará o impedimento. Portanto: gol ilegal.

Acertou a arbitragem nesse detalhe bem específico da Regra.

Tunísia x França: onde assistir, escalações e horário | frança | ge

Imagem extraída ade G1.com

– O lance curioso entre Irã 0x1 EUA.

Que jogo nervoso entre iranianos e americanos no finalzinho! Mas o detalhe, aos 97 minutos, mostra a importância do VAR:

Nos acréscimos, um atacante do Irã cai na grande área e pede pênalti. Não foi. Há um bate e rebate e a bola não sai. Em determinado momento, o atleta do Irã tem a possibilidade de dominar a bola e não o faz, justamente para que ela saia, exista a paralisação e o árbitro espanhol Antonio Mateu possa ir ao VAR. Nesse momento, o lateral iraniano quase “deu um bico na bola para fora” e fica sinalizando o gesto do monitor com os braços (e o juizão não foi ao VAR, que lhe informou que foi lance legal).

São novos tempos de futebol, onde você vê a torcida vibrar com um pedido de VAR, torcer para uma corrida à TV ou esperar para gritar gol.

A relação entre EUA e Irã em 10 capítulos - BBC News Brasil

Imagem extraída de: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-49325372

– Mulheres fazendo história na Copa do Mundo:

Que legal! A francesa Frappart apitará Costa Rica vs Alemanha, e a brasileira Neuza Back será sua assistente. Segue, abaixo, a escala de um jogo histórico (a primeira vez que um trio feminino apitará uma Copa do Mundo masculina):

Em tempo: que tal imaginar a japonesa Yamashita em Brasil x Camarões?

– Wilton e Claus na Copa. Como vão?

Já havíamos comentado em outra oportunidade: Wilton Pereira Sampaio tinha ido muito bem nos dois jogos apitados (exceto ao erro da não expulsão de Cash, da Polônia, motivado pelo VAR), e Raphael Claus “sentiu” a escala no Inglaterra x Irã.

Pois bem: já temos as escalas do segundo dia da 3a Rodada da Copa, e neca do Claus aparecer. Aparecerá ainda nela? Houve tanto rigor da FIFA a esse ponto?

Saberemos se “sim ou não” nos próximos dias, conforme as outras escalas. Se aparecer um jogo de “cumprimento de tabela”, será mal sinal.

Aguardemos.

ATUALIZANDO: Claus ficou para Canadá x Marrocos:

– Um pênalti de queimada do Brasil, no Mundial (Portugal x Uruguai).

Gimenez não cometeu pênalti de mão na bola no Portugal 2×0 Uruguai. Mas um tiro penal “à brasileira” foi marcado…

O jogador uruguaio está caindo, com o braço em movimento natural, e a bola bate em sua mão. O árbitro manda seguir e depois é chamado pelo VAR. Porém…

Depois de algum tempo, o árbitro iraniano vem caminhando, com uma cara insegura, jeitão de indecisão, totalmente não convicto. Repare que ele ameaça por duas vezes colocar o apito na boca e evita apitar. Por fim, marca pênalti.

Foi o primeiro pênalti “de queimada”, daqueles tipicamente brasileiros, visto na Copa. Nos outros lances idênticos no Mundial, ninguém marcou.

Lembrando: o iraniano Faghani é bom árbitro, mas foi muito mal nesse lance. E insisto: nenhum árbitro europeu de país com futebol desenvolvido marca esse tipo de lance.

winner_cristiano ronaldo_portugal vs darwin nunez_uruguay

Imagem: Getty Images

– O gol anulado de Vini Jr no Brasil x Suíça.

Que pena! Um detalhe fez a diferença para a anulação do gol de Vinícius Jr. Entenda:

Richarlison voltava do ataque em direção ao meio-campo, e estava em posição de impedimento. Uma bola é roubada pela Seleção Brasileira entre a defesa e o meio-campo, e ela é lançada para frente. Richarlison correu para disputá-la, ainda estando em impedimento passivo. Porém, ela passa por dois jogadores (um suíço e Alex Sandro) que não a tocam. Se qualquer um deles tivesse a tocado, seria uma nova jogada; como ninguém a tocou, vale a posição inicial e irregular de Richarlison. Na sequência, a bola sobrou para Vinícius Jr (que estava em posição legal).

Importante: por Richarlison disputar o lance, ele passa de impedimento ativo para passivo sem necessitar tocar na bola, pois leva um marcador junto com ele.

No print, abaixo, a posição de Richarlison na hora do toque no campo de defesa. Dificilmente o bandeira de Suriname (ou de qualquer lugar do planeta) marcaria. Somente o VAR! E tivemos mais uma boa arbitragem no Mundial (num jogo faltoso: BRA 10×16 SUI, com um cartão amarelo para cada time).

(Sobre o árbitro, falamos incialmente aqui: https://wp.me/p4RTuC-IiU)

Em tempo: nos dois jogos, é nítido que depois que a Seleção Brasileira fez o gol contra adversários que se fecharam bem, o time relaxa e joga melhor; os adversários, por sua vez, sentem demais o “baque”.

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Brasil x Suíça (Rodada 02 da Copa do Mundo Catar 2022).

Para o confronto entre o Escrete Canarinho e a Nationalmannschaft, arbitrará o seguinte octeto:

Árbitro: Iván Barto (El Salvador)
Bandeira 1: David Moran (El Salvador)
Bandeira 2: Zachari Zeegelaar (Suriname)
4º árbitro: Said Martinez (El Salvador)

VAR (árbitro de vídeo): Drew Fisher (Canadá)
AVAR 1 (bandeira de vídeo): Armando Villareal (EUA)
AVAR 2 (bandeira para impedimento no vídeo): Kathryn Nesbitt (EUA)
AVAR 3 (assistente p/ suporte): Fernando Guerreiro (México)

Iván Arcides Barton Cisneros, 31 anos, está há apenas 4 anos no quadro da FIFA. Na sua estreia na Copa do Mundo, apitou (muito bem) Alemanha 1×2 Japão. Foi o árbitro da Final da Liga dos Campeões da Concacaf (Pumas-MEX x Seatlle Sounders-EUA), e já apitou um jogo do Brasil nas Olimpíadas: no ano passado, na vitória por 4×2 contra a Alemanha (3 gols de Richarlison).

Dois detalhes:

1- o bandeira do Suriname, que certamente estará em seu “maior jogo da vida”.

2- o VAR canadense Drew Fisher, que no sábado não chamou Wilton Sampaio em Polônia x Arábia Saudita a fim de expulsar Cash, em um erro crasso (vide aqui: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2022/11/26/que-sorte-cash/).

Imagem extraída de: Kai Pfaffenbach/Reuters

– Que sorte, Cash!

Apesar da boa arbitragem de Wilton Sampaio no Polônia 2×0 Arábia Saudita, um erro determinante: aos 20’ do 1o tempo, o lateral polaco Cash deu uma cotovelada no seu adversário, fora do campo de visão do árbitro, e não foi expulso.

O VAR canadense se “fez de morto” e não chamou o árbitro brasileiro. Uma pena. Estava 0x0 e a Arábia era melhor. Poucos minutos depois, o próprio Cash armou a jogada do gol.

Erros assim, infelizmente, são relevantes.