– Marrentos Precoces do Futebol

Escrito em 2013, republicado hoje por ser oportuno! Abaixo:

SÓ TEM ROMÁRIO?

Fico boquiaberto com a marra de alguns dos garotos da Copa SP. Muitos atletas de time grande “acham que jogam muito”, fazem “caras e bocas” para a TV, e, pior: dão trabalho para a arbitragem.

Não estou generalizando, mas é uma constatação verdadeira: o que tem de Sub19 querendo colocar o dedo na fuça dos árbitros, é impressionante! E o pior é que alguns juízes aceitam tal comportamento.

Corroboro o que meu sábio pai comentou sobre tal fato:

– se hoje essa molecada se comporta desse jeito, imagine daqui a 3 anos, com dinheiro e fama?

Penso que, além de profissionais do futebol como treinadores e preparadores físicos, esses garotos precisam também de psicólogos, orientadores vocacionais e educadores. Afinal, essa idade é um passo delicado na vida deles.

Em tempo: Romário, o craque brasileiro que fazia da pequena área sua diversão, era muito marrento. Mas um marrento para o adversário, pois nunca vi ato de indisciplina do Baixinho contra árbitro algum (aliás, tenho vários testemunhos de árbitros que apitaram o Vasco e se impressionaram como Romário só queria jogar bola, mesmo famoso como já era).

– Federação Carioca pensava em colocar representantes dos clubes dentro da cabine do VAR?

Não sei quem foi o gênio que teve a ideia, mas ao ler que a FERJ consultou a FIFA (e chegou a colocar no seu regulamento) sobre a intenção de colocar membros dos clubes DENTRO da cabine do VAR, para “conferir as decisões de maneira transparente”, penso: foi realmente a sério?

Com tantos escândalos no futebol merecendo muita transparência, tal argumento é tremendamente esdrúxulo. 

Abaixo, extraído de: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2020/01/13/international-board-veta-presenca-de-clubes-em-cabine-do-var-no-carioca.htm

IFAB VETA PRESENÇA DE CLUBES EM CABINE DO VAR

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) consultou a International Board, órgão que regulamenta as regras do futebol, mas foi proibida de implementar a presença de representantes dos clubes na cabine do árbitro de vídeo no Campeonato Carioca.

Em seu regulamento, a federação fluminense incluiu um artigo que previa que “cada uma das 2 (duas) equipes cuja partida conte com a utilização do VAR poderão indicar 1 (um) representante para permanecer na cabine de controle do árbitro de vídeo e acompanhar todos os procedimentos ali desenvolvidos durante a partida, sendo terminantemente vedadas quaisquer tentativas de interferência, interlocução, manifestação ou reclamação, sob pena de exclusão do recinto”. As normas do Carioca foram aprovadas pelos clubes em 21 de outubro, mas este tema foi sempre colocado na condicional:

“Caso obtenha as autorizações necessárias, a FERJ poderá utilizar a tecnologia da Arbitragem de Vídeo (VAR) nas partidas da fase preliminar, nas partidas semifinais e finais dos dois turnos (Taça Guanabara e Taça Rio) e nas partidas finais do campeonato, adotando a forma, termos e limites constantes em diretriz técnica a ser publicada para este fim, e do respectivo protocolo determinado pela International Football Association Board (IFAB)”.

Com o sinal vermelho, a ideia foi abortada, mas o recurso do VAR estará disponível na competição, embora não em todos os jogos. A tecnologia estará disponível apenas nos clássicos e nas fases decisivas do torneio. No regulamento, a Federação afirma que “a tecnologia da Arbitragem de Vídeo (VAR) poderá ser utilizada às expensas da FERJ em até 16 (dezesseis) partidas do campeonato”.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a entidade que comanda o Carioca informou que a medida tinha por objetivo “dar transparência às decisões e tudo que acontece na sala do VAR” e acrescentou que “antes de submeter à apreciação da IFAB, a FERJ incluiu no Regulamento do Campeonato Carioca de 2020 para não perder o prazo da publicação, previsto por lei”. Ante a proibição, a decisão será acatada: “o mesmo regulamento prevê, no artigo 4i, que o uso do VAR obedecerá o protocolo da IFAB. Assim, como não houve aprovação, é óbvio que a presença dos representantes dos clubes não será realizada no Carioca”.

O torneio estadual já está em curso, mas a fase principal só terá início no dia 18 de janeiro. Macaé e Portuguesa, melhores da seletiva, se juntam aos outros 10 que já estavam classificados.

ferj-inaugurou-sala-de-treinamento-de-var-para-os-arbitros-do-carioca-1547726805466_615x300

– A Regra é diferente, mas não importa!

Não é nenhum estudo de caso das Leis do Jogo, mas apenas compartilho para observação e aplausos ilimitados:

– Na Turquia, em um campo adaptado e regras diferentes, tivemos uma partida entre AMPUTADOS!

Assista o vídeo e tente não se impressionar. É impossível não admirar esses atletas e a sua superação. Abaixo:

 

– Homofobia na Copinha, Ironia do Cartola do Timão e a discussão dos Gays na arbitragem.

O título da postagem mostra que as “pautas respeitosas quanto ao gênero” começaram com tudo neste começo de ano no futebol, não? Especialmente em São Paulo. Vamos a elas?

Fica o alerta para todos os torcedores: conforme alertamos anteriormente, a FPF fará em seus torneios com que os árbitros tenham rigor contra práticas discriminatórias, como manifestações políticas, gritos racistas, ofensas sexistas ou cânticos homofóbicos (seguindo a determinação da FIFA). E isso aconteceu nesta semana na prática.

Na partida entre Audax-SP vs Sport-PE pela Copa São Paulo de Futebol Jr, o goleiro do time pernambucano se distanciava para cobrar o tiro de meta e os torcedores começaram a gritar aquele manjado “biiiiiiicha”, imitando os mexicanos que inventaram essa prática com o “puuuuuto”. O árbitro Thiago Scarascati cumpriu a recomendação e praticou o que manda o Protocolo FIFA contra discriminação no seu 1o ato. (vide-o aqui: https://wp.me/p55Mu0-2hK). Ainda assim, posteriormente, houve novos gritos, e o 2o ato do Protocolo foi praticado.

Nesta mesma semana, ocorreu a polêmica de Duílio Monteiro Alves, diretor do Corinthians, que na apresentação do jogador Victor Cantillo deu a camisa 8 do time para o atleta, negando a 24 (número que ele gostava de utilizar no Junior Barranquilla) justificando em tom de brincadeira que “24 aqui não” (fazendo alusão do número, na cultura do Brasil, ser ligado a gays). Teve que se desculpar em público posteriormente. Afinal, se a maior torcida do Brasil é do Flamengo e a segunda do Corinthians, de maneira lógica e proporcional esses clubes possuem as maiores torcidas entre os homens, mulheres e homossexuais.

Por fim, vale lembrar o que a nova comandante dos árbitros da Federação Paulista de Futebol, Ana Paula de Oliveira, disse em entrevista ao Estadão: a ex-bandeirinha declarou que em sua gestão “aumentará para 20% a participação das mulheres nas escalas de jogos”  (se isso acontecer, em cada 5 jogos realizados, 1 será arbitrado por quarteto feminino) e de que, em outras palavras “dará tranquilidade para que não exista assédio aos árbitros gays e árbitras lésbicas do quadro” (vide a matéria completa clicando AQUI).

Dessa forma, respeitemos a diversidade. Isso não quer dizer que devamos fazer apologia, pois se beira na preocupação em aceitar o homossexual, quase uma louvação! Não é isso: não se pode praticar homofobia, mas não se deve também criar uma heterofobia (como que “ser hetero declarado” nos dias de hoje seja algo ruim).

O politicamente correto está (seja em excesso ou não) em pauta nas diversas áreas, inclusive no futebol, e não se pode negar.

Resultado de imagem para homofobia no futebol

– Vamos compartilhar e ajudar Marina Rogério Spironelli, doando sangue e plaquetas?

Eu sou doador regular voluntário de sangue e plaquetas, e por um probleminha específico de saúde, estou barrado para novas doações por algum tempo. E nesta época, por conta do excesso das pessoas nas festas de final de ano, os doadores que poderiam doar diminuem sensivelmente, além do aumento de necessitados.

Ao ler esse pedido de doação publicado no Facebook (abaixo), me senti incapaz e inútil. E sabendo da urgência, vindo de quem é, não tive como me sensibilizar: Marina, a neta do querido Prof Gustavo Caetano Rogério, filha da amiga Rita de Cássia e do Marcos Fábio Spironelli (sobrinha do Marcelo Rogério, tão correto e respeitado) está passando por uma séria enfermidade e precisa de doadores de sangue e plaquetas.

O que posso fazer é pedir para que as pessoas colaborem na doação e repassem o pedido de ajuda. E fica o apelo: quem puder, incentive também a doação de MEDULA ÓSSEA, algo ainda mais difícil. E torçamos / rezemos / oremos por todos que estão nesta situação delicada.

80857281_2692959580933505_808736414781931520_n

– O que você acha do Cartão Branco no futebol?

Faz 5 anos que a ideia foi sugerida e não vingou: um cartão específico contra a indisciplina!

Compartilho, deste mesmo blog:

O CARTÃO BRANCO

Está acontecendo um Congresso Mundial de Futebol em Portugal, o “Conversas de Futebol” (ou “Football Talks). 

Dentre os muitos assuntos, a Arbitragem foi discutida. E Pierluigi Colina, ex-árbitro e agora dirigente da UEFA, sugeriu uma novidade: o Cartão Branco!

A idéia seria de que as faltas por indisciplina (simulação de infrações, chutar a bola para longe após o apito e reclamações contra o árbitro) sejam punidas, ao invés do Cartão Amarelo, com o Cartão Branco. O infrator ficaria de 5 a 10 minutos fora do jogo (tempo exato a definir em outros debates), servindo de exemplo para indisciplinados. Os Cartões Amarelo e Vermelho continuariam para as outras situações de jogo

Particularmente, acho desnecessária tal medida. O Amarelo já é suficiente para os indisciplinados, sendo que a reincidência leva à expulsão. 

Daqui a pouco, com o excesso de preocupação “politicamente correta“, teremos o Cartão Verde para atitudes de Fair Play (chutar a bola para a lateral para atender um adversário lesionado), o Cartão Lilás contra a homofobia, o Cartão Preto contra o Racismo, o Cartão Laranja para a Xenofobia, e por aí vai. E discordo disso. Praticou qualquer discriminação: VERMELHO e relato em súmula para severa punição.

No Brasil, já testamos o Cartão Azul no antigo Campeonato Paulista de Aspirantes, uma espécie de intermediário entre o Amarelo e o Vermelho. 

Não gosto de um suposto teste com o Cartão Branco por tal motivo: a indisciplina, por quais sejam os motivos como citados acima, já tem seus instrumentos de punição estabelecidos na Regra do Jogo.

A UEFA, a Conmebol ou a FIFA deveriam se preocupar mais em capacitar seus árbitros do que criarem tais invencionices.  

E você, o que pensa sobre isso? Deixe seu comentário:

bomba.jpg

– Análise da Arbitragem de Paulista 1×5 Athlético Paranaense, Rodada 3 da Copa SP 2020

Apesar da péssima atuação do Paulista Futebol Clube, jogando contra o time mesclado de titulares e reservas do Athlético Paranaense (que é muito bom, com esquema tático bem definido), a arbitragem foi muito boa.

Não tivemos exigências, pois as duas equipes jogaram de maneira justa e limpa. Entretanto, não há o que observar de negativo do árbitro e seus bandeiras (disciplinar e tecnicamente falando) que estiveram atentos e levaram a partida a sério.

A única queixa, que faço questão de registrar ao ótimo árbitro Pietro Dimitrof Stefanelli, é que numa cobrança de falta frontal ao Furacão, ele ficou centralizado, de frente a barreira com o bumbum arrebitado, naquelas teatrais posições que devem ser evitadas. Não precisa fazer isso, pois a sua qualidade no apito é muito boa.

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Paulista x Athlético Paranaense, Rodada 3 da Copa SP de Futebol Jrs

Pietro Dimitrof Stefanelli, 30 anos, Administrador de Empresas e com 8 temporadas na FPF, apitará o confronto entre o Galo vs Furacão. No ano passado, pela Copa São Paulo, apitou Atlético Mineiro x Água Santa, no jogo em Diadema onde a partida foi paralisada pois um raio caiu em campo. Neste ano, trabalhou em São Bento 0x0 CSA no Canindé (expulsando o preparador físico do time alagoano por ofensas).

Em partidas profissionais envolvendo o Paulista, ele apitou em 2019 a estreia do Galo contra o São José (0x0) e a vitória contra o Manthiqueira (4×0), ambas no Vale do Paraíba – e atuou bem.

No ano de 2017, Pietro apitava Sub 11. Em 2018, conseguiu trabalhar em duas partidas profissionais. No ano passado, chegou à A3. É uma aposta da FPF para 2020. Aguardemos!

os bandeiras estão atualmente trabalhando em partidas amadoras e Sub 23, buscando um espaço melhor em torneios mais importantes.

A ficha completa:

Árbitro: Pietro Dimitrof Stefanelli
Árbitro Assistente 1: José Paulo Ferreira Martins Mariano
Árbitro Assistente 2: Marcos de Sena Carneiro
Quarto Árbitro: Robson Silva Santos

Desejo uma boa partida para as equipes e uma ótima arbitragem!

Acompanhe a transmissão de Paulista x Athlético Paranaense pela Rádio Difusora Jundiaiense AM 810, com o comando de Adilson Freddo. Narração de Edson Roberto (Didi, o Gargantinha de Ouro); comentários com Rafael Porcari; reportagens de Luiz Antonio “Cobrinha” de Oliveira. Quinta-Feira às 16h15 – mas a jornada esportiva começa a partir das 15h30 para você ter a melhor informação com o Time Forte do Esporte.

– Análise da Arbitragem de Paulista 1×1 Gama

Uma boa arbitragem de Marcos Silva dos Santos Gonçalves, que tem ótimo porte físico, mostrou boa presença dentro de campo (se posicionou bem) e aplicou corretamente os cartões amarelos. Não teve preguiça em amarelar por jogada mais forte ou por questão disciplinar.

Tecnicamente, acertou quando exigido aos 24m, não marcando pênalti ao Paulista na simulação de Borges (o atleta tentou cavar e o árbitro não caiu). Soube coibir com as advertências devidas às faltas seguidas cometidas pelo Gama em Dieguinho (um inferno em campo, driblador e liso, e que sofreu 5 faltas em 12 minutos de jogo).

O bandeira 2 Sidney Tadeu Mendonça de Oliveira também foi bem, assim como o atento 4º árbitro Thelmis Lanza. Porém, sofreu bastante a bandeira 1 Karina Mendes de Souza, se atrasando e se precipitando em pelo menos dois impedimentos importantes. Há de se ter muita atenção, em especial para jogos corridos como os da Copinha.

Uma observação: o gesto do apito final foi tímido, fraco, parecendo que o jogo não tinha terminado, enganando até mesmo os jogadores. Mostre a mesma vontade para acabar a partida quanto a de começar.

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Paulista FC x SE do Gama, 2a Rodada da Copa São Paulo Jr

Para a partida desta 2a feira entre o Galo versus o Periquito (clique AQUI para conhecer a história interessante da construção do Monumento ao Mascote da Sociedade Esportiva do Gama), apitará Marcos Silva dos Santos Gonçalves, que arbitrou o empolgante Audax 4×3 Moto Clube pela 1a Rodada da Copa São Paulo (o time paulista perdia por 2×1 e virou o placar, numa partida com 6 cartões amarelos).

Marcos costuma ser rigoroso em campo, principalmente em detalhes como retardamento de jogo ou questões disciplinares. Aliás, ele trabalha, curiosamente como Auxiliar de Disciplina. Está com 45 anos de idade e apita há 20 temporadas no futebol. Entretanto, apesar da longeva carreira, não estava sendo prestigiado nos últimos anos pela FPF, sendo que seu último jogo mais relevante como árbitro central foi em 2017 na A3 (São Carlos 3×1 Paulista).

Karina Mendes de Souza, a bandeira 1, tem 34 anos e é funcionária pública. Está na sua 4a temporada na Federação Paulista e ainda não trabalhou em partidas profissionais. Mesma situação do bandeira 2, Sidney Tadeu Mendonça de Oliveira, que é 9 anos mais novo do que Karina.

O mais curioso é quanto ao quarto árbitro: Thelmis Ernesto Lanza tem 13 anos de carreira, 41 de idade, e NUNCA apitou um jogo profissional, somente categorias amadoras da FPF. E isso mostra que, pela escala desse quarteto, Ana Paula de Oliveira, a ex-bandeira famosa (e que era competente), agora chefe dos árbitros do Estado de São Paulo, dará oportunidade a todos do quadro, incluindo esquecidos e novatos.

Desejo uma boa partida a todos e ótima arbitragem. A ficha completa abaixo:

Árbitro: Marcos Silva dos Santos Gonçalves
Árbitro Assistente 1: Karina Mendes de Souza
Árbitro Assistente 2: Sidney Tadeu Mendonça de Oliveira
Quarto Árbitro: Thelmis Ernesto Lanza

Acompanhe a transmissão de Paulista x Gama pela Rádio Difusora Jundiaiense AM 810, com o comando de Adilson Freddo. Narração de Edson Roberto (Didi, o Gargantinha de Ouro); comentários de Heitor Freddo e Robinson “Berró” Machado; análise da arbitragem com Rafael Porcari; reportagens de Luiz Antonio “Cobrinha” de Oliveira. Segunda-Feira às 14h00 – mas a jornada esportiva começa a partir das 13h30 para você ter a melhor informação com o Time Forte do Esporte.

IMG_3701